Secretaria condena evento que expôs crianças para serem adotadas

  • Por Jovem Pan
  • 23/05/2019 16h46
Reprodução/FacebookSegundo a presidente da Comissão de Infância e Juventude da OAB-MT, se tratava de "uma noite para os pretendentes poderem conhecer as crianças"

O evento Adoção na Passarela, realizado na noite desta terça-feira (21), no Pantanal Shopping, em Cuiabá, que expôs crianças e adolescente para serem adotadas, gerou repercussão negativa na mídia e nas redes sociais. A Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA) divulgou nota, nesta quinta-feira (23), criticando a ação.

A secretaria lembrou o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que “atribui à sociedade e ao Estado o dever de proteger integralmente crianças e adolescentes, o que inclui a proteção à exposição de sua identidade e as suas emoções”.

A presidente da Comissão de Infância e Juventude da OAB-MT e da Comissão Nacional da Infância, Tatiane de Barros Ramalho, alegou que se tratava de “uma noite para os pretendentes – pessoas que estão aptas a adotar – poderem conhecer as crianças” e que elas teriam “um dia diferenciado em que irão se produzir, cabelo, roupa e maquiagem para o desfile”. Além disso, ressaltou que na última edição dois adolescentes, de 14 e 15 anos, foram adotados.

No final da tarde desta quarta-feira (22), o órgão e a Ampara publicaram uma nota de esclarecimento, em que afirmaram que “nunca foi o objetivo do evento – parte integrante de uma série de outros que compõem a ‘Semana da Adoção’ – apresentar as crianças e adolescentes a famílias para a concretização da adoção”.

De acordo com as duas instituições, as crianças e adolescentes desfilaram na companhia de seus padrinhos de programas de adoção, que, segundo o ECA, devem ter, no mínimo, 18 anos de idade, ou de seus pais adotivos. “A ideia da ação visa promover a convivência social e mostrar a diversidade da construção familiar por meio da adoção com a participação das famílias adotivas”, acrescentaram.

Na mensagem, as entidades também informaram que “nenhuma criança ou adolescente foi obrigado a participar do evento” e que “todos eles expressaram aos organizadores alegria”. “A realização do evento ocorreu sob absoluta autorização judicial conferida pelas varas da Infância e Juventude de Cuiabá e Várzea Grande, bem como o apoio do Poder Judiciário.”

Shopping

O Pantanal Shopping, local onde foi realizado o desfile, por sua vez disse que “repudia a objetificação de crianças e adolescentes” e que “o único intuito em receber a ação foi contribuir com a promoção e conscientização sobre adoção e os direitos da criança e adolescente com palestras e seminários conduzidos por órgãos competentes que possuem legitimidade no assunto”.

Em nota, o estabelecimento comercial declarou ainda que o evento contou com o apoio do Ministério Público do Estado do Mato Grosso, de representantes dos poderes Executivo e Judiciário do estado, além da Associação Nacional do Grupo de Apoio à Adoção e Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente.

* Com informações da Agência Brasil