Sem confirmar Marina Silva, Roberto Freire prega “continuidade do projeto” de Eduardo Campos

  • Por Jovem Pan
  • 14/08/2014 17h05
Roberto Freire mostrou preocupação para definir substituto de Campos

Folhapress Roberto Freire lamenta morte

A coligação que representava o candidato Eduardo Campos – morto na última quarta-feira (13) em acidente aéreo em Santos – tem até o dia 23 para definir o seu substituto. O deputado e presidente nacional do PPS, Roberto Freire, em conversa à Jovem Pan, procurou não confirmar Marina Silva, que seria vice de Campos, mas afirmou que a opção por ela seria a “ordem natural”.

Freire fez questão de ressaltar que, acima de tudo, o escolhido pela coligação deverá seguir os mesmos passos de Eduardo. “Aquele que for representar essa coligação tem que representar [a campanha] na sua integridade, dando continuidade ao mesmo projeto”, afirmou.

Ele ainda concedeu que haverá diferenças de estilos, seja qual for a escolha, mas que há de se “assumir o compromisso de ser representante dos compromissos e acordos firmados”.

O deputado reforçou que a opção da coligação, sendo Marina ou não, não terá vida fácil. “Qualquer um que você colocar terá alguma dificuldade, não sei bem onde, não se pode imaginar que um outro virá preencher o que Eduardo representava, ele era uma grande liderança, ele unificava e despertava uma expectativa para o futuro do Brasil”, explicou.

Com a proximidade do horário eleitoral, que começará no próximo dia 19, Freire mostrou o seu desconforto com a situação atual: “estamos preocupados, temos que resolver até a próxima terça-feira. Se não conseguirmos, a coligação pode lançar o programa levando em consideração a tragédia da qual nós o e o Brasil fomos vítimas”.