‘Sem a esquerda não venceríamos essa eleição’, diz Maia

  • Por Estadão Conteúdo
  • 14/07/2016 11h23
Rodrigo Maia é cotado para liderança de eventual governo Temer na Câmara

Já passava da meia-noite quando o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) sentou-se, pela primeira vez, na confortável cadeira que foi de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no centro da Mesa Diretora no plenário da Câmara.

Depois de se emocionar e chorar ao citar o pai no discurso da vitória (o ex-prefeito do Rio de Janeiro, César Maia), o novo presidente da Câmara fez questão de ressaltar a importância do apoio dos líderes da “esquerda” ao seu nome. 

No começo da fala, fez até uma revelação inusitada, “quero agradecer duas pessoas que acreditaram nesse projeto desde o inicio. Foram eles que estiveram na minha casa, há 40 dias, e inventaram isso que era uma loucura, os deputados Carlos Sampaio (PSDB-SP) e Orlando Silva, meu grande amigo”, disse.

Maia terminou o discurso dizendo que vai “governar com simplicidade, dialogar com a maioria e a minoria e pacificar a Casa”. Em seguida, concedeu uma entrevista coletiva na qual voltou a exaltar os aliados da esquerda, “sem a esquerda não venceríamos essa eleição”.

O deputado minimizou a celebração com gritos contra Eduardo Cunha feita no plenário após a votação, “ajudei a eleger Cunha contra um candidato do PT e, no plenário, talvez ele tenha sido o melhor presidente que tivemos. Teve méritos. Não sou daqueles que só pisa”.

Maia também prometeu “voltar ao debate” sobre a reforma política e disse que está disposto a votar uma agenda negativa, mas im portânte ao Páis, “os deputados estão eleitos não apenas para serem aplaudidos. Estamos aqui para votar o que pode ser impopular”.

O novo timoneiro, por fim, garantiu que não houve acordo com oposição para pautar temas contra o governo e concluiu prometendo que votará a cassação de Cunha quando houver quórum, “votação da cessação do Cunha, para ser legítima, precisa de um quórum elevado”, disse.