Senado convida Glenn Greenwald para prestar esclarecimentos sobre supostas mensagens

  • Por Jovem Pan
  • 03/07/2019 18h36
Vinicius Loures/Câmara dos DeputadosGreenwald participou de audiência na comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados na última terça-feira (25)

O jornalista Glenn Greenwald, responsável pelo site “The Intercept Brasil”, foi convidado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal para prestar esclarecimentos sobre as supostas conversas vazadas entre o ministro da Justiça, Sergio Moro, e os integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato.

O pedido foi protocolado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da minoria. Ele argumentou que a divulgação das informações provocou repercussão nacional e internacional e precisa de esclarecimentos.

“As reportagens (…) mostram a suposta troca de mensagens ocorridas entre essas autoridades, colocando em dúvida a necessária imparcialidade sobre a atuação do juiz Sergio Moro, agora ministro da Justiça, nos processos criminais sob sua condução, assim como na dos procuradores envolvidos, entre eles Deltan Matinazzo Dallagnol”, disse o requerimento.

“A presença do autor dessas impactantes reportagens a esta Comissão de Constituição e Justiça é fundamental para o esclarecimento de um assunto que vem trazendo enorme repercussão para o país. É a oportunidade para que traga as explicações que considere necessárias à sociedade brasileira”, completou.

Greenwald já foi à Câmara prestar esclarecimentos

Greenwald participou de audiência na comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados na última terça-feira (25). Na ocasião, ele criticou o ex-juiz que, segundo ele, utiliza uma “tática cínica” para enganar a população.

O jornalista reiterou a opinião de que Moro infringiu a lei. “Sergio Moro não, às vezes, ultrapassou a linha da ética, nem quebrou, às vezes, o código de ética. O tempo todo o chefe dos procuradores e força tarefa da Lava Jato era Sergio Moro”, afirmou.

A maioria dos oradores ao longo das quase sete horas de sessão foi de deputados de oposição, com falas de apoio ao jornalista. Os momentos mais acirrados foram de falas de governistas.

* Com informações do Estadão Conteúdo