Situação e oposição convergem para eleições diretas como solução, diz Ana Amélia

  • Por Estadão Conteúdo
  • 18/05/2017 13h49
Divulgação/Site Oficial"Ela foi muito corajosa", disse sobre a candidata da Rede

A senadora Ana Amélia (PP-RS) afirmou nesta quinta-feira (18), que a situação do País é “gravíssima” após as divulgações de denúncias envolvendo o presidente Michel Temer. Segundo ela, neste momento, “situação e oposição” convergem para uma mesma saída, que seria a eleição direta de um novo presidente da República. 

“O Congresso está fragilizado com muitos dos seus membros envolvidos na operação Lava Jato e estaria sem condições políticas, constitucionais, morais e éticas de fazer um julgamento, uma eleição indireta, que não seria aceita pela sociedade”, afirmou a senadora do PP – partido que atualmente compõe a base aliada do presidente Michel Temer. 

O deputado oposicionista Alessandro Molon (Rede-RJ) também defendeu a realização de eleições diretas. “Eleições indiretas seriam inaceitáveis neste momento do Brasil. O Congresso que elegeu Eduardo Cunha não pode eleger o próximo presidente”, afirmou Molon.