SP registra quarto ato contra Temer em menos de uma semana

  • Por Estadão Conteúdo
  • 08/09/2016 20h00
SP - MANIFESTAÇÃO FORA TEMER/SP - POLÍTICA - Manifestação contra o Presidente Michel Temer e a favor das diretas já. A manifestação saiu da Praça da Sé e seguiu pela Av. Brigadeiro Luís Antônio, Av. Paulista, Rua da Consolação, Av. Ipiranga para terminar no final da tarde na Praça da República, região central da cidade de São Paulo (SP) nesta quarta-feira, dia 7. 07/09/2016 - Foto: ROGéRIO DE SANTIS/A7 PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOManifestantes protestam

Manifestantes começaram a se concentrar no Largo da Batata, na zona oeste, em Pinheiros. Bandeiras da CUT, do MTST e de partidos como PCdoB e PSTU dominaram a paisagem. Do lado oposto da praça foram colocados dois caminhões de choque da PM (um deles com jato de água), um efetivo policial de 23 motocicletas, além de viaturas espalhadas pelas saídas do metrô. Próximo das 18h desta quinta-feira, 8, o clima ainda era de tranquilidade.

A polícia militar divulgou o trajeto combinado para a manifestação. A princípio, o grupo sai do Largo da Batata, pega a Pedroso de Moraes, segue para a Praça Pan-Americana e o Alto de Pinheiros – local em que Michel Temer reside quando está em São Paulo.

Ainda concentrados no Largo da Batata, faixas de Liberdade e Luta, Nenhum direito a Menos e Mulheres Sem Temer se espalhavam. O deputado federal e candidato a vice prefeito, Ivan Valente (Psol) disse que os indícios de que o governo vai mexer nas leis trabalhistas tem “injetado ânimo e força às manifestações”. Para ele, a mobilização quase que diária pode até “arrefecer um dia ou outro, mas no todo a revolta popular estaria crescendo”.

A aposentada e ex-presa política Josefa Laurindo Roriz Silva, 76 anos, avisou que ela é “representante das idosas que teimosamente insistem em permanecer nas ruas”. “Lugar do povo é na praça e vou ficar alerta até o Temer cair”, disse à reportagem.

Com 23 anos, Naiara do Rosário, que milita no coletivo de educação Emancipa, diz que está na rua porque ” o atual governo está atacando a educação e quer implementar a bobagem que é a Escola Sem Partido”.

Atos

Este é o quarto ato contra Temer em menos de uma semana na capital paulista. Na última quarta-feira, 7, feriado que marca o Dia da Independência do Brasil, organizadores calcularam cerca de 15 mil pessoas entre militantes de partidos, movimentos sociais, mulheres, jovens e famílias em uma caminhada da região da Av. Paulista ao Parque Ibirapuera, no período da manhã. À tarde, cerca de 10 mil pessoas, segundo o coletivo Liberdade e Luta, foram da Praça da Sé à Av. Paulista e em seguida à Praça da República, na região central, em um ato pacífico. A PM não informou o número de manifestantes em nenhuma das duas manifestações.

No último domingo, 4, aproximadamente 100 mil pessoas foram à Av Paulista se manifestar contra o governo Temer, em ato organizado pelas frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular. A caminhada, que começou por volta das 18h, terminou com confusão no Largo da Batata, quando houve empurra-empurra no acesso à estação do metrô. Bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo foram lançadas pela PM para dispersar os manifestantes.