SP se aproxima de 1 milhão de casos da Covid-19; Brasil passa de 4,84 milhões

De acordo com o Ministério da Saúde, estado de SP tem 991.725 casos confirmados e 35.804 mortes

  • Por Jovem Pan
  • 01/10/2020 19h27
Gabriel Bastos/Estadão ConteúdoCovid-19 já matou mais de 144 mil brasileiros

O Ministério da Saúde atualizou os números da Covid-19 no Brasil no fim da tarde desta quinta-feira, 1º. De acordo com a pasta, o país registrou nas últimas 24 horas, 728 óbitos e 36.157 novos casos da doença. Ao todo são 4.847.092 casos confirmados do novo coronavírus desde o início da pandemia e 144.680 mortes, o que representa 3% do total. Os pacientes em tratamento são 489.640, enquanto 4.180.376 brasileiros que contraíram Covid-19 estão recuperados. As autoridades de saúde ainda investigam se outras 2.440 mortes foram provocadas por coronavírus.

O Estado de São Paulo segue como o primeiro no ranking de maiores contaminações e está próximo de bater 1 milhão de casos confirmados. Até hoje, o estado contabiliza 991.725 casos confirmados, sendo 6.097 deles computados nas últimas 24 horas. O total de mortes já soma 35.804, sendo que 182 delas aconteceram de ontem para hoje. 856.453 pessoas estão recuperadas da doença, sendo 108.508 delas após internação. O segundo estado com mais casos é a Bahia, 312.050 casos e 6.795 mortes; Minas Gerais é o terceiro com 298.607 casos e 7.436 óbitos, seguido de Rio de Janeiro com 266.607 casos e 18.567 mortes e o top 5 fecha com o Ceará (241.684 casos e 9.023 óbitos).

Anvisa recebe dados preliminares para registro de vacina contra a Covid-19

Na tarde desta quinta-feira, 1º, a Anvisa anunciou por meio de nota que recebeu da farmacêutica AstraZeneca os dados preliminares da vacina contra a Covid-19 que o laboratório tem desenvolvido com a ajuda da Universidade de Oxford. A “submissão contínua” é um um procedimento específico para analisar as vacinas contra a Covid-19 que forem desenvolvidas no Brasil. Segundo a agência, o objetivo é conferir maior agilidade à análise regulatória dos dossiês de registro dos imunizantes, ou seja, tornar as etapas de avaliação mais rápidas. Apesar do recebimento dos dados, a Anvisa afirma que não há uma “conclusão sobre a qualidade, segurança e eficácia da vacina”.