STJ mantém prisão de empresário chinês acusado de desviar testes de covid-19

Mais de 14 mil testes e cerca de 2,1 milhões de máscaras foram desviados do aeroporto de Guarulhos. A Polícia Civil prendeu 14 pessoas na operação realizada no início deste mês

  • Por Jovem Pan
  • 29/04/2020 19h19
Mauro Scrobogna/Estadão ConteúdoA carga contendo os testes para coronavírus foi desviada do Aeroporto de Guarulhos

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio Noronha, negou nesta quarta-feira (29) o pedido para soltar o empresário chinês Zheng Xiao Yun, acusado de receptar uma carga de testes para covid-19.

Na decisão, o ministro entendeu que não há ilegalidades na liminar da Justiça de São Paulo, que manteve a prisão em flagrante, no início do mês.

O caso é investigado pela Polícia Civil de São Paulo, que prendeu 14 pessoas que teriam furtado testes de covid-19 no Aeroporto Internacional de Guarulhos. A carga veio da China e foi encontrada no bairro do Ipiranga, na zona sul da capital.

Durante a ação, foram encontradas 15 caixas com 14.500 kits de testes e cerca de 2,1 milhões de máscaras descartáveis, distribuídas em 435 caixas.

O Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope), que coordenou a operação, também recolheu um machado, uma faca, uma carabina calibre 40, uma espingarda calibre 12 e três pistolas calibre 380.

A defesa pediu a soltura do empresário ao STJ por entender que não houve fundamentação concreta da decisão que manteve a prisão, além de alegar risco de contaminação pela covid-19.

*Com informações da Agência Brasil