Supremo sinaliza que lei é igual para todos com decisão sobre Dirceu, diz Rezek

  • Por Jovem Pan com informações da Agência Brasil
  • 26/06/2014 10h52

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Francisco Rezek disse nesta quinta-feira (26), em entrevista à JOVEM PAN, que a Corte fez entender que os critérios da lei aplicados ontem com a autorização para José Dirceu, condenado no julgamento do mensalão, trabalhar fora da cadeia, são iguais para todos.

“Há uma lição extremamente importante. A lei é igual para todos e os critérios de interpretação e aplicação da lei são iguais para todos. O Tribunal contraria duas vertentes do pensamento, da opinião pública brasileira”, pontuou o integrante do Linha de Frente da JOVEM PAN.

Rezek explicou ainda que por um lado contraria aqueles mais severos, que desejariam que os critérios de aplicação da lei para pessoas ilustres, da constelação política do país fossem diferenciados. Por outro lado, ele disse, o Supremo seguiu a corrente daquilo que os juízes e tribunais do país tem decidido.

*Ouça a entrevista completa no áudio com o jornalista JOVEM PAN Anchieta Filho

Por maioria de votos, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou na quarta-feira (25) o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu a trabalhar durante o dia em um escritório de advocacia em Brasília. Dirceu vai prestar serviços no escritório do advogado José Gerardo Grossi, em Brasília. Ele ajudará na pesquisa de jurisprudência de processos e na parte administrativa com salário de R$ 2,1 mil. A jornada é das 8h às 18h, com uma hora de almoço.