Teich diz que entregará na próxima semana diretriz para flexibilizar isolamento

  • Por Jovem Pan
  • 22/04/2020 18h38 - Atualizado em 23/04/2020 08h00
Júlio Nascimento/PR"É impossível um país sobreviver um ano, um ano e meio parado", disse o ministro

O ministro da Saúde, Nelson Teich, deu sua primeira entrevista coletiva à frente da pasta nesta quarta-feira (22) e anunciou que em uma semana deve entregar uma diretriz para orientar a flexibilização do isolamento social nos estados. Segundo ele, o projeto deve ser customizado para cada região, já que o Brasil é um País “gigante e heterogêneo”.

“O afastamento é uma medida natural na largada [da pandemia do novo coronavírus], mas precisa estar acompanhado de um programa de saída”, disse. Para ele, o modelo precisa “incluir muitas variáveis” e “não pode ser só um exercício, precisa refletir a realidade”.

“Se existe o conceito de que você tem que ter 70% da população em contato com a doença para que ela seja imune, e levando em conta que a vacina vai levar talvez um ano, um ano e meio… É impossível um país sobreviver um ano, um ano e meio parado”, ressaltou.

Durante a coletiva, Teich também citou a distribuição de testes, assunto que pautou desde que foi escolhido para assumir a pasta no lugar de Luiz Henrique Mandetta. De acordo com ele, é “importante desenhar uma forma ideal de distribuir os exames”. O mais correto, conforme o ministro, seria uma “combinação entre os testes disponíveis e a capacidade de testar as pessoas certas”.

Nelson Teich anunciou, ainda, que um banco de dados será criado, em uma junção entre Saúde, Casa Civil e outros ministérios. “Queremos uma integração cada vez maior com outros grupos do governo. Estamos trabalhando com a iniciativa privada, vamos ter dados ligados a hospitais e estados (…). Sabemos muito pouco sobre a doença, e o poder de decidir ainda é pequeno”, completou.