Temer inaugura Centro Espacial que vai operar satélites em Brasília

  • Por Jovem Pan
  • 17/12/2018 15h46 - Atualizado em 17/12/2018 16h05
FÁTIMA MEIRA - ESTADÃO CONTEÚDOEm discurso animado, Temer ressaltou a importância do projeto, "hoje digo em definitivo que estamos no século 21"

O presidente Michel Temer inaugurou nesta segunda-feira (17), em Brasília, o Centro Espacial que vai operar o satélite brasileiro SGDC1, Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas, lançado na órbita em maio de 2017. Esta é a primeira etapa do projeto de modernização das telecomunicações brasileiras. A próxima fase focará nos setores administrativos.

Temer fez um discurso animado durante a cerimônia de inauguração, “[É] o momento culminante, o ápice dessa modernização, o momento em que eu posso dizer, em alto e bom som, o momento em que eu posso alardear por aí”, disse.

O emedebista foi convidado pelo ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, para o evento. O ministro convenceu o presidente a participar da cerimônia alegando que este seria o “coroamento de um trabalho extraordinário”. Temer comprou a ideia e aproveitou a oportunidade para exaltar projetos do seu governo, como o congelamento de gastos públicos e a reforma trabalhista.

O satélite

Lançado em 4 de maio de 2017 no espaço, o satélite brasileiro tem dois objetivos principais. Um deles é o fortalecimento da soberania nacional, uma vez que as telecomunicações ficam mais seguras e sem intermediários estrangeiros. Agora, quem faz a gestão do satélite é a estatal Telebras junto aos militares sob a alçada do Ministério da Defesa.

Outro objetivo, ressaltado enfaticamente por Temer é a possibilidade de levar internet banda larga para municípios nos rincões do país.

O acesso à internet já faz parte da realidade de uma parcela expressiva dos cidadãos brasileiros e ampliar o acesso aos brasileiros foi uma das bandeiras que levou o SGDC1 ao espaço. O governo integrou-se à rede de tal forma que uma série de ações cotidianas já podem ser realizadas via internet.

*com informações do Estadão Conteúdo