Terceira dose da Pfizer em imunizados com a CoronaVac aumenta proteção para 92,7%, diz estudo

Estudo publicado na Nature nesta quarta-feira, 9, mostrou que taxas de proteção contra casos graves da doença também aumentaram com o reforço da vacina desenvolvida pela Pfizer e pela BioNTech

  • Por Jovem Pan
  • 09/02/2022 14h32 - Atualizado em 09/02/2022 14h34
ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Profissional da saúde mostra frasco da vacina da Pfizer contra a Covid-19 Pesquisadores analisaram dados de 14 milhões de brasileiros

Um estudo publicado pela revista científica “Nature” nesta quarta-feira, 9, mostra que os pacientes que receberam uma dose de reforço da vacina da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 depois de terem sido imunizados com duas doses da CoronaVac tiveram sua imunidade aumentada. De acordo com o artigo, a eficácia da proteção após a terceira dose nessa combinação aumenta para 92,7%. Segundo a revista, foram analisadas informações de 14 milhões de pessoas no Brasil. Estudos anteriores apontaram que, de duas semanas a um mês após a aplicação, duas doses da CoronaVac possuem eficácia de 55% contra a doença e 82,1% contra casos graves. Entretanto, esse valor caia, respectivamente, para 34,7% e 72,5%. Com a dose da Pfizer, a taxa para a doença subiu para 92,7% enquanto para casos graves foi para 97,3%. O material é assiando por pesquisadores das Universidades Federais da Bahia (UFBA), do Rio de Janeiro (UFRJ), da Universidade de Brasília (UNB), do Instituto Gonçalo Muniz (Fiocruz Bahia) e da Universidde de Glasgow, no Reino Unido.