Texto da reforma está pronto e aguarda avaliação de Bolsonaro, diz secretário da Previdência

  • Por Jovem Pan
  • 12/02/2019 15h23
Lucio Tavora/Estadão ConteúdoMarinho se reuniu com Guedes para finalizar propostas nesta terça

O texto base da reforma da Previdência foi concluído pela equipe do governo, revelou nesta terça-feira (12) o secretário da Previdência, Rogério Marinho. Agora, a proposta deve ser analisada pelo presidente Jair Bolsonaro, que está internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, se recuperando de cirurgia para reconstrução do trânsito intestinal.

Marinho se reuniu com o ministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília, antes de anunciar à imprensa a conclusão do projeto. “Evidente que existem pontos que serão levados à presença do presidente para que ele possa tomar sua posição, possa definir de que forma isso possa chegar à Câmara Federal”, contou a jornalistas após o encontro.

Ele não adiantou, contudo, nenhum ponto da reforma e disse que o texto foi construído com avaliação das diversas áreas do governo, além da contribuição de economistas e observação ao projeto enviado pelo ex-presidente Michel Temer ao Congresso Nacional. Além disso, Marinho afirmou que a medida é “bem diferente” da vazada semana passada.

Na minuta que havia sido tornada pública, o governo proporia idade mínima única de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem. O projeto ainda previa um mínimo de 20 anos de contribuição para o trabalhador receber 60% do benefício previdenciário chegando, de forma escalonada, até o limite de 40 anos para o recebimento de 100%.

Perguntado sobre quando o projeto será apresentado à sociedade, Marinho respondeu que isso vai acontecer o mais rápido possível. “Vamos aguardar que o presidente convalesça, que esteja em plena condição de exercício do mandato, que eu espero que seja amanhã ou quinta-feira. [Depois de] Apresentado ao presidente, ele vai definir o prazo.”

Militares

Sobre a inclusão de militares na reforma, o senador Major Olímpio (PSL-SP) havia afirmado mais cedo – após também participar da reunião – que os próprios membros das Forças Armadas apresentaram uma proposta de mudança. “Os próprios comandantes e o ministro da Defesa [Fernando Azevedo e Silva, que é general] têm se debruçado sobre isso.”

Estreante no Senado, Olímpio é líder do partido do presidente da República na Casa. “Os militares que estão fazendo propostas. Tudo vai cair aqui dentro da área técnica, da área econômica. Os militares, que são sempre solução para o nosso país, não são problema, também estão fazendo suas propostas. Vamos ver a viabilidade dessas propostas”, contou.

*Com informações da Agência Brasil