Trabalho de retirada de destroços pode ser concluído ainda nesta sexta (20), diz Defesa Civil de Paraty

  • Por Jovem Pan
  • 20/01/2017 11h51
Destroços do avião que caiu em Paraty - div

O Corpo de Bombeiros resgatou os últimos dois corpos que estavam presos à fuselagem do avião que caiu nesta quinta-feira (19), no litoral de Paraty, no sul do Rio de Janeiro.

Em entrevista à Jovem Pan, o secretário adjunto da Defesa Civil de Paraty, Percio Freire, confirmou a informação e disse ainda que o trabalho de retirada da aeronave da água pode ser finalizado ainda nesta sexta-feira (20). “Pelo andar das coisas isso termina hoje ainda”, afirmou. “Só estão alinhavando melhor as coisas para que não dê erro nenhum”, completou Freire.

A Aeronáutica ficará responsável pela conclusão do inquérito e a aparelhagem da aeronave ficará sob sua responsabilidade.

De acordo com os Bombeiros, um homem e uma mulher foram retirados na manhã desta sexta (20) dos destroços submersos do avião pelas equipes de resgate. As outras três vítimas do acidente, que também estavam no avião, entre elas o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, já haviam sido resgatadas no início da madrugada e levadas para o Instituto Médico Legal do município vizinho de Angra dos Reis.

As vítimas do acidente foram: Carlos Alberto Filgueiras, dono do Emiliano, Maíra Panas, Maria Hilda Panas, o piloto Osmar Rodrigues e o ministro Teori Zavascki.

Abertura de inquérito

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal estão investigando o acidente. A Procuradoria da República em Angra dos Reis abriu inquérito para investigar as causas do acidente e já pediu documentos à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)  e à Aeronáutica, relativos à manutenção da aeronave, e também as gravações das conversas entre o piloto e a torre de controle do aeroporto de Paraty.

Os agentes e procuradores estão colhendo depoimentos de testemunhas.

Acidente aéreo

O ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki morreu no acidente do avião que caiu nesta quinta-feira (19) nas proximidades de Paraty, no Rio de Janeiro. A aeronave partiu do Campo de Marte (SP) e ia para o Rio de Janeiro com quatro passageiros a bordo. A informação da morte do magistrado foi confirmada pelo filho dele pelo Facebook. Antes, o filho de Zavascki havia confirmado a presença do pai no voo e pediu para os amigos para “rezarem” pela sobrevivência do ministro.

Teori, que tinha 68 anos, era o ministro relator das ações da Operação Lava Jato no Supremo. Cabia a ele os próximos e decisivos passos da investigação que envolve alguns dos políticos mais emblemáticos do Brasil e que possuem foro privilegiado e, portanto, só podem ser julgados pela mais alta corte.

O ministro era responsável pela homologação das conhecidas “delações do fim do mundo”, colaborações de 77 executivos da construtora Odebrecht com a Justiça. A expectativa era que o ministro do STF começasse a decidir em fevereiro a oficialização ou não das delações que envolviam diversos políticos importantes dos núcleos do governo de Michel Temer e Dilma Rousseff. Enquanto estava em recesso, a equipe de juízes do ministro analisava o extenso material resultante de uma longa negociação que se estendeu por todo o ano de 2016.

*Com informações de Agência Brasil