Em reunião, Bolsonaro teria reclamado que a ‘PF não dá informações’; veja transcrição do vídeo

  • Por Jovem Pan
  • 14/05/2020 21h09
Marcos Corrêa/PRJair Bolsonaro

Na reunião interministerial realizada no dia 22 de abril, o presidente Jair Bolsonaro teria reclamado, segundo transcrição do vídeo apresentada pela Advogacia-Geral da União (AGU), que não recebe informações da Polícia Federal. A informação é da TV Globo.

A reunião contou com a presença do então ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro. De acordo com Moro, o presidente o teria pressionado a trocar o comando da PF, na ocasião, motivo pelo qual resolveu deixar o governo.

Segundo a AGU, Bolsonaro também teria mencionado a troca da “gente da segurança nossa no Rio de Janeiro”. Em parecer encaminhado ao Supremo Tirbunal Federal (STF), o órgão de defesa do governo defendeu a divulgação do vídeo, mas apenas dos trechos pertinentes ao inquérito, que tenham falas de Bolsonaro.

Em um dos trechos, segundo a AGU, o presidente diz:

“Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro e oficialmente não consegui. Isso acabou. Eu não vou esperar f. minha família toda de sacanagem, ou amigo meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence à estrutura. Vai trocar. Se não puder trocar, troca o chefe dele. Se não puder trocar o chefe. troca o ministro. E ponto final. Não estamos aqui para brincadeira (…)”

Ao reclamar da falta de informações, Bolsonaro disse que “não pode ser surpreendido com notícias”. Confira o trecho completo:

“Eu não posso ser surpreendido com notícias. Pô, eu tenho a PF que não me dá informações; eu tenho as inteligências das Forças Armadas que não têm informações; a Abin tem os seus problemas, tem algumas informações, só não tem mais porque tá faltando realmente… temos problemas… aparelhamento, etc. A gente não pode viver sem informação. Quem é que nunca ficou atrás da… da… da.. porta ouvindo o que o seu filho ou sua filha tá comentando? Tem que ver pra depois… depois que ela engravida não adianta falar com ela mais. Tem que ver antes. Depois que o moleque encheu os cornos de droga, não adianta mais falar com ele: já era. E informação é assim. [referências a Nações amigas]. Então essa é a preocupação que temos que ter: a “questão estratégia”. E não estamos tendo. E me desculpe o serviço de informação nosso – todos – é uma vergonha, uma vergonha, que eu não sou informado, e não dá pra trabalhar assim, fica difícil. Por isso, vou interferir. Ponto final. Não é ameaça, não é extrapolação da minha parte. É uma verdade (…)

O governo afirma que não houve manifestação direta à troca do comando da PF ou superintendência. “Se houve manifestação de alguma insatisfação, ocorreu ela muito antes, em contexto completamente diverso, de modo meramente exemplificativo, rigorosamente genérico, tanto que aquela outra fala, cinquenta minutos antes, em seu contexto próprio, é concluída do seguinte modo: serviço de informação nosso – todos – é uma vergonha”, diz a AGU.

Nesta quinta, Bolsonaro defendeu a divulgação de 20 minutos do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril. O vídeo e a decisão sobre a divulgação está com o relator do caso no Supremo, ministro Celso de Mello.