Tropas estão preparadas para “evitar tumultos”, diz governador Márcio França

  • Por Jovem Pan
  • 06/04/2018 19h53 - Atualizado em 06/04/2018 19h55
ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDONovo governador de São Paulo Márcio França (PSB) durante cerimônia de transmissão do cargo no Palácio dos Bandeirantes

O novo governador de São Paulo, Márcio França (PSB), disse nesta sexta (6) que é preciso ter “calma”.

França confirmou que o batalhão de Choque da Polícia Militar foi deslocado para a Via Anchieta, nas proximidades de São Bernardo do Campo, onde está o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, local em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encontra ao lado de apoiadores.

O objetivo, porém, não é invadir o sindicato e prender Lula, que tem mandado de prisão expedido pelo juiz Sergio Moro, mas conter eventuais distúrbios, como confirmou a Secretaria de Segurança Pública mais cedo à Jovem Pan. A ordem de prisão de Moro se direciona à Polícia Federal.

“Em função do clima que está acontecendo no Brasil, a tropa evidentemente tem que ficar preparada. Mas não é por conta da determinação. É por conta dos tumultos que podem acontecer. A nossa tarefa é evitar que isso aconteça”, disse França.

“Vamos aguardar os fatos acontecerem. O Brasil não precisa mais de gente beligerante. Nós precisamos colocar um pouco de água nessa fervura. Não há nenhuma necessidade disso. Vamos ver se o mundo da política não consegue resolver isso com bom senso e com um pouco de paciência”, disse o governador, quando questionado sobre como será a postura da polícia em relação a Lula.

“Quando as pessoas estão exaltadas, a tendência é sempre ter uma confusão inesperada. Nós recebemos orientação sempre do poder judiciário, que é quem determina as coisas. A Polícia Militar e as demais polícias seguem a determinação do poder judiciário, mas naturalmente nós vamos fazer até o limite para que possa ser feito tudo em paz”, continuou França.

Questionado se o secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa, colocou as tropas estaduais à disposição, o governador disse: “a polícia de São Paulo está sempre à disposição do poder judiciário para o cumprimento da lei, mas ele (Mágino) até agora não falou nada comigo sobre isso”.

As informações são do repórter Daniel Lian, do Palácio dos Bandeirantes:

 

Lula foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro a 12 anos e 1 mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) no caso do tríplex do Guarujá, que teria sido dado ao ex-presidente pela empreiteira OAS como propina.

Após recursos de “habeas corpus” preventivo negados pelo Superior Tribunal de Justiça e pelo Supremo Tribunal Federal, o juiz federal Sergio Moro, responsável pela Lava Jato, emitiu na tarde desta quina (5) o mandado de prisão contra Lula.

O ex-presidente tinha até as 17h desta sexta (6) para se apresentar à Polícia Federal em Curitiba (PR), mas decidiu não fazê-lo e segue encastelado no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP). A Polícia Federal negocia a rendição com interlocutores do ex-presidente.