Uso de ponto eletrônico na Câmara é “irreversível”, diz deputado Beto Mansur

  • Por Jovem Pan
  • 06/05/2015 16h17
Plenário da Câmara dos Deputados fica praticamente vazio durante sessão desta segunda-feira

Nesta quarta-feira (06), a Câmara dos Deputados discutiu sobre a eficiência de ponto eletrônico para funcionários. Em entrevista ao repórter José Maria Trindade, o primeiro-secretário, deputado Beto Mansur (PRB) afirmou que, apesar de resistência dos funcionários, isso é “irreversível”.

“É irreversível, porque como qualquer coisa brasileira necessita de um controle de frequência dos funcionários. A gente tinha um controle de frequência que era feito pela chefia. Agora se tem o ponto eletrônico. Os funcionários da Câmara vão bater ponto na entrada, na saída para o almoço, na volta do almoço e no encerramento do trabalho”, explicou.

Já o presidente da Câmara, Eduardo Cunha confirmou a promulgação da PEC da Bengala para amanhã (07) e confirmou que oficiais de Justiça foram ao Congresso Nacional recolher dados sobre os requerimentos apresentados pelos deputados.

Cunha disse que se trata de uma “querela pessoal” com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que, segundo o presidente da Câmara, “escolheu a quem investigar”.

Atendendo a um pedido de Janot, o ministro Teori Zavascki autorizou a busca e apreensão na Câmara para colher dados. Isso devido à denúncias de que Cunha teria chatageado empresas apresentando requerimentos com pedidos de investigação. Eduardo Cunha nega e diz que os requerimentos não são deles.