Vale discorda do pedido de indiciamento de executivos em CPI de Brumadinho

Em nota, Vale diz que discorda da sugestão da CPI de Brumadinho de indiciar funcionários da empresa pelo desastre

  • Por Jovem Pan
  • 12/09/2019 18h31
Wilton Junior/Estadão ConteúdoDesastre em Brumadinho causou a morte de pelo menos 249 pessoas

A Vale emitiu uma nota, nesta quinta-feira (12), em que discorda da sugestão de indiciamento de funcionários e executivos da companhia pelo rompimento de uma barragem em Brumadinho, em Minas Gerais, em janeiro. A sugestão foi feita pela CPI de Brumadinho, da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

A CPI durou cerca de seis meses, e o relatório tem aproximadamente 340 páginas.O pedido de indiciamento será enviado ao Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG), que, por sua vez, decide se encaminha a solicitação à Justiça. Até o momento foram confirmados 249 mortos no rompimento da barragem. Outras 21 pessoas estão desaparecidas.

“A Vale considera fundamental que haja uma conclusão pericial, técnica e científica sobre as causas do rompimento da barragem B1 antes que sejam apontadas responsabilidades. A Vale e seus empregados permanecerão colaborando ativamente com todas as autoridades competentes e com órgãos que apuram as circunstâncias do rompimento”, diz a empresa em nota

O advogado Augusto Arruda Botelho, que defende os funcionários da Tüv Süd, classificou o relatório final da CPI como “precipitado e equivocado”. “Foi desprezada uma série de depoimentos e provas colhidas ao longo das investigações”.

As penas para os crimes identificados no relatório da CPI, se houver condenação, são: homicídio doloso, de 12 a 30 anos de prisão por cada. Falsidade ideológica, prisão de um a cinco anos Dano simples e qualificado, seis meses a três anos de prisão. Lesão corporal, um a cinco anos de prisão. Para os crimes atribuídos à Vale, existe a possibilidade de pagamento de multa e recuperação da área destruída.

*Com Estadão Conteúdo