Vilão das dívidas bancárias, cheque especial passa a ter um limite de juros

  • Por Jovem Pan
  • 06/01/2020 08h31 - Atualizado em 06/01/2020 08h44
Divulgação/BCA tarifa foi autorizada pelo Banco Central como uma concessão aos bancos em contrapartida à imposição de um limite para os juros do cheque especial.

A Federação Brasileira dos Bancos defendeu que a cobrança de uma taxa sobre todos os clientes que têm direito ao cheque especial é uma maneira de reduzir os juros dessa modalidade de crédito.

A tarifa foi autorizada pelo Banco Central como uma concessão aos bancos em contrapartida à imposição de um limite para os juros do cheque especial.

A partir desta segunda (06), eles não podem ser maiores do que 8% ao mês.

Ao mesmo tempo, os bancos passam a poder cobrar uma tarifa dos clientes com limite de crédito acima de 500 reais no cheque especial, mesmo daqueles que não utilizam.

A taxa é de 0,25% sobre o valor que exceder essa quantia.

De acordo com a Febraban, a antiga gratuidade do cheque especial e a inadimplência eram as principais responsáveis pelos juros elevados do produto.

A Federação defende que, para oferecer crédito emergencial de forma automática, os bancos incorrem em custos administrativos e regulatórios que acabam influenciando o valor dos juros.

O diretor executivo da Associação dos Executivos de Finanças, Miguel Ribeiro de Oliveira, entende que a melhor alternativa é solicitar o fim do limite da conta.

“Se você não quer pagar mais uma tarifa bancária, o ideal é pedir para tirar o limite de sua conta, ou que esse limite não ultrapasse R$ 500”, afirma. 

A advogada Márcia Arenas relata que já teve problemas ao usar o cheque especial. Para ela o limite de juros imposto era mais do que necessária.

“Eu já fiquei mais de 60 dias utilizando o cheque especial e paguei quase o dobro. Pra quem utiliza muito, é bom que tenha um limite, pois os bancos cobram o que eles querem.” 

O jornalista Wander Ferreira confessa que não tinha muito conhecimento sobre como funcionava o cheque especial, por isso acabou se endividando. “Eu não tinha muita experiência e nem sabia o quanto teria de consequência após utilizar”, diz. 

A Febraban orienta que os clientes usem o cheque especial apenas para despesas emergenciais e por curto prazo.

*Com informações do repórter Renan Porto