Visita ao Paraguai é ‘fundamental’ para construção de segunda ponte que liga ao Brasil, diz Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 12/03/2019 15h04 - Atualizado em 12/03/2019 15h07
MATEUS BONOMI/ESTADÃO CONTEÚDOPresidentes se encontraram no Palácio do Planalto, em Brasília

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (12) que pretende viajar ao Paraguai ainda este ano para dar início às obras da segunda ponte entre os países. Nesta manhã, ele se reuniu com o presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, em Brasília.

“Se Deus quiser, no corrente ano faremos visita ao Abdo”, afirmou Bolsonaro em pronunciamento após o encontro. Essa visita, segundo ele, é “fundamental” para a construção da ponte entre Foz do Iguaçu, no Paraná, e Presidente Franco.

O presidente do Paraguai, por sua vez, destacou que a visita marcará o início das obras após décadas de espera. O governo brasileiro também negocia uma terceira ponte entre os países, que faria ligação entre Porto Murtinho (MS) e Carmelo Peralta.

Um acordo firmado entre os dois governos ainda na gestão do ex-presidente Michel Temer prevê que a obra será custeada pela Itaipu Binacional. No encontro desta terça, os governantes ainda trataram da revisão de asilo a criminosos que estão no Brasil.

O encontro faz parte da agenda internacional de Bolsonaro, que já recebeu o presidente da Argentina, Mauricio Macri, e o autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó. Em todos os casos, a crise venezuelana também esteve na pauta.

Abdo Benítez relatou que sentiu “sintonia e harmonia” na reunião com o presidente brasileiro e seus ministros. Ele também disse que “o Paraguai tem economia que se complementa com a economia brasileira”.

O Brasil é o principal parceiro comercial do Paraguai, segundo o Ministério de Relações Exteriores (MRE). De acordo com Bolsonaro, eles também falaram de outros assuntos, como questões envolvendo Itaipu, crime organizado e exilados.

Comércio

Na área comercial, os dois presidentes concordaram com o aprofundamento de processos de integração produtiva no setor da indústria automotiva e da piscicultura. A ideia é aproveitar o lago da usina de Itaipu para produzir 400 mil toneladas de peixes por ano.

No âmbito do Mercosul, os dois governantes discutiram a abertura a novos mercados, o fortalecimento da competitividade, a facilitação de comércio, o fortalecimento institucional e o relacionamento externo.

*Com informações do Estadão Conteúdo e da Agência Brasil