Votação de abuso de autoridade foi ‘sonegada’ por Maia e NOVO vai pedir reparação, diz deputado

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2019 11h55
Reprodução/Facebook

O deputado federal Marcel Van Hattem (Novo-RS) afirmou que seu partido vai pedir uma reparação na votação que ocorreu na Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (14) e resultou na aprovação, por votação simbólica, do projeto de lei que criminaliza o abuso de autoridade. Em entrevista à Jovem Pan, ele declarou que houve uma sonegação por parte do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que deveria ter realizado o processo por meio de votação nominal.

A votação simbólica é aquela em que o eleitor não consegue saber como votou cada parlamentar, uma vez que a decisão do mesmo fica oculta. Caso mais de 30 deputados optem pela votação nominal (feita pelo sistema eletrônico de votos), no entanto, o presidente da Câmara deve acatar o pedido.

De acordo com Van Hattem, no entanto, isso não aconteceu. “Nós [partido NOVO] estamos tentando, internamente, ver o que é possível fazer para recuperar a votação de ontem. Claramente havia, como eu acabei de postar no Twitter, mais de 31 deputados pedindo a votação nominal da matéria, o que significa que poderia ter havido uma maioria de deputados no plenário dispostos a derrubar o projeto, inclusive contrariamente à orientação de seus líderes”, disse.

No vídeo publicado pelo deputado, é feita a contagem de braços levantados dentro da Câmara, que resulta em 31. Enquanto os parlamentares erguem as maõs, é possível ouvir Maia dizendo que a proposta havia passado. “O texto está aprovado. Não tem 31 braços levantados, não tem. Pode pegar o vídeo, na hora que eu cantei não tinha 31 braços levantados. Peguem o vídeo e olhem”, afirma.

Van Hattem desmente. “Isso não aconteceu. A votação foi sonegada pelo presidente da Câmara. Ele disse que não viu 31 braços, pode ter se equivocado, mas eu acabei de postar um vídeo que mostra, com ângulo muito fechado, inclusive – existiam muitos outros deputados nas laterais e no fundo do plenário que não aparecem no vídeo, apoiando a votação nominal -, que havia sim 31 mãos levantadas para pedir a verificação nominal. Estamos buscando reparação”, ressaltou.

Além de pedir pela revisão da votação, o parlamentar fez um apelo, também, para que o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que deve sancionar ou não o projeto, “vete integralmente” a proposta para que ela seja rediscutida no Congresso Nacional. “Precisamos que o presidente vete a matéria. Ontem, a sociedade pediu no Twitter que a Câmara vetasse, era o assunto número um nos trending topics brasileiros a #NãoaoAbusodeAutoridade. Hoje, também está como número um a #VetaBolsonaro, então é óbvio que esse é um caminho que a gente espera que o presidente siga, atendendo aos anseios da sociedade”, concluiu.