Votação no dia seguinte a 1º de maio não representa risco, diz Arthur Maia

  • Por Estadão Conteúdo
  • 19/04/2017 15h25
Relator da reforma da Previdência

O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), avaliou que o fato de a votação de seu relatório ter sido marcada para o dia 2 de maio, depois do feriado do Dia do Trabalhador, não representa um risco. Nessa data, estão previstos protestos em todo o País contra a reforma. “Mas o protesto vai ser dentro da Comissão?”, ironizou.

Ele avaliou como favorável o acordo fechado entre as lideranças governistas e a oposição para o início da votação no dia 2 de maio, sem obstrução até lá. “Desde quando fazer acordo é derrota? É uma acordo favorável para votar a PEC”, disse. 

Oliveira Maia também rebateu a avaliação de que a seu parecer desidratou a proposta original de reforma da Previdência. “Como desidratou? O parecer só faz aumentar”, ressaltou.