Witzel diz que compra errada de respiradores levou a rompimento de contrato com Iabas

O Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas) era responsável pela administração dos hospitais de campanha. A Fundação Estadual de Saúde assume

  • Por Jovem Pan
  • 03/06/2020 18h24 - Atualizado em 07/07/2020 08h26
Andre Melo Andrade/Estadão ConteúdoWilson Witzel é o atual governador do Rio de Janeiro

O governador do Rio, Wilson Witzel, alegou a compra errada de respiradores para pacientes de Covid-19 para romper o contrato com organização social Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas), responsável pela construção de sete hospitais de campanha.

Em vídeo publicado na internet nesta quarta-feira (3), Witzel sustentou que sua decisão de romper o contrato e intervir nos hospitais foi tomada após a informação de que os 500 aparelhos que a organização está comprando não são respiradores, mas carrinhos de anestesia, que não podem ser utilizados nas unidades de saúde.

“Não podemos continuar com erros, eles precisam ser corrigidos. A Fundação Estadual de Saúde assume [os hospitais] para concluir as obras, operar o sistema e deixar um legado. Esses hospitais de campanha serão muito importantes para a reabertura da economia, para gerar empregos e, principalmente, para ajudar no futuro com cirurgias eletivas”, disse o governador.

O Iabas se manifestou, em nota, dizendo que a Secretaria de Estado de Saúde (SES) tinha conhecimento das aquisições contratadas, inclusive dos respiradores acoplados a carrinhos de anestesia.

Segundo a entidade, o equipamento é recomendado pela Associação Médica Brasileira como alternativa para tratar pacientes de Covid-19, diante da escassez de respiradores no mercado mundial.

“O Iabas informa que, desde o início das negociações para compra dos carrinhos de anestesia em substituição aos respiradores, a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro sempre esteve informada. É consenso internacional a utilização de carrinhos de anestesia como ventiladores, principalmente no momento atual, em que sistemas de saúde do mundo inteiro estão em busca desses equipamentos, o que leva à escassez do produto”, informou a empresa.

Diante do rompimento de contrato e a retomada pelo governo estadual de sete hospitais, o Iabas disse que tomará medidas judiciais para assegurar os seus direitos. “Diante do decreto de intervenção, cabe ao Iabas, em primeiro lugar, colaborar na transferência dos hospitais para o novo gestor, para, na sequência, tomar as medidas judiciais necessárias para assegurar os direitos de nossa instituição.”

*Com informações da Agência Brasil