Wilson Witzel diz suspeitar de sabotagem na Cedae

  • Por Jovem Pan
  • 20/01/2020 13h30
Jose Lucena/Estadão ConteúdoWitzel: "Eu acredito em uma sabotagem por conta do leilão (da Cedae)"

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou que suspeita que um crime de sabotagem seja responsável pela crise no abastecimento da Companhia Estadual de Água e Esgoto (Cedae). Desde o início do ano, a água distribuída em vários pontos do Estado está contaminada por uma substância formada por algas chamada geosmina.

Witzel disse que a suspeita se dá por conta do interesse de “manchar a imagem” da empresa, que passa por um processo de privatização. A venda da Cedae foi uma exigência do Governo Federal em 2017, para que o Rio entrasse no regime de Recuperação Fiscal.

“Eu acredito, e está sendo apurado, em uma sabotagem por conta do leilão (da Cedae). Há muitos interesses envolvidos e eu pedi à Polícia que apurasse”, disse em evento nesta segunda-feira, feriado de São Sebastião na cidade do Rio. O governador não deixou claro quem teria interesse em sabotar a empresa.

“Evidente que houve um fato ali, uma imperícia, e vamos apurar se essa imperícia foi dolosa ou culposa. Vamos apurar se quem deveria tomar conta para evitar que o que está acontecendo agora no verão, nas férias, foi simplesmente um fato culposo, incompetência”, completou o governador.

A Polícia Civil investiga a causa da poluição há alguns dias, depois que moradores começaram a se queixar dos danos à saúde trazidos como náuseas e diarréia. Eles observaram também que a água que saía da torneira apresentava cheiro de terra e coloração barrenta. Os moradores de algumas localidades têm sido obrigados a comprar água mineral, provocando a alta de preço do produto em alguns supermercados.

O governador anunciou também o investimento de R$ 700 mi em obras na estação de tratamento do Rio Guandu para viabilizar o leilão.

* Com informações do Estadão Conteúdo.