Buscas pelo avião da Malaysia Airlines serão suspensas, talvez para sempre

  • Por Estadão Conteúdo
  • 22/07/2016 11h33
NED08. KIEV (UCRANIA), 13/10/2015.- El viceprimer ministro ucraniano, Guennadi Zubko (dcha), ofrece una rueda de prensa en Kiev, Ucrania, el 13 de octubre del 2015. El Consejo de Seguridad de Holanda, que analiza las causas del accidente del avión de Malaysia Airlines en el este de Ucrania en 2014 con 289 personas a bordo, concluyó hoy que el aparato fue derribado por un misil Buk de fabricación rusa. EFE/Roman PilipeyAvião Malaysia Airlines

As buscas pelos restos do avião da Malaysia Airlines que caiu no Oceano Índico serão suspensas, uma vez que todo o Oceano foi vasculhado, afirmaram, nesta sexta-feira, 22, ministros dos três países que conduzem a operação. O comunicado possivelmente encerra, para sempre, as chances de resolver aquele que se tornou o maior mistério da aviação.

“Na ausência de novas evidências, a Malásia, a Austrália e a China decidiram coletivamente suspender as buscas após percorrerem 120 mil quilômetros quadrados”, afirmou o ministro malaio dos Transportes, Liow Tiong Lai, após uma reunião com representantes dos demais países.

Tong Lai afirmou que a suspensão não significa o fim das buscas pela aeronave do voo 370, mas deixou claro que as esperanças são pequenas de encontrar algo entre os últimos 10 mil quilômetros quadrados que ainda precisam ser vasculhados.

“As chances de encontrar a aeronave são pequenas”, disse.

O Boeing 777 da Malaysia Airlines desapareceu em 8 de março de 2014, quando fazia um voo entre Kuala Lumpur e Pequim. Acredita-se que ele tenha rumado para ocidente e então caído no Oceano Índico, a oeste da Austrália, onde as buscas se concentraram.

Liow disse que a procura está sendo prejudicada pelo mau tempo e por equipamentos danificados, mas seriam suspensas ao fim de dezembro. Desde o início da operação, foram poucos os avanços na solução do caso, entre eles alguns destroços encontrados na coste leste da África.