Buscas por 300 desaparecidos são intensificadas em Langtang

  • Por Agencia EFE
  • 14/05/2015 15h27

Katmandu, 7 mai (EFE).- As equipes de resgate intensificaram as operações na região de Langtang, uma das mais afetadas pelo terremoto que atingiu o Nepal há 12 dias e onde tentam localizar mais de 300 pessoas que continuam desaparecidas, mas a chance de encontrar sobreviventes é considerada mínima.

O chefe adjunto do governo regional, Gautam Rimal, disse à Agência Efe que os trabalhos de resgate focam em fazer “todo o necessário” para encontrar cerca de 200 nepaleses e cem estrangeiros que continuam fora do radar nesse percurso de trilha.

“Não temos certeza sobre o número. No entanto, de acordo com os números de entradas e saídas na região de Langtang, suspeitamos que mais de 300 pessoas estão desaparecidas”, explicou, antes de acrescentar que foi solicitado “apoio adicional de resgate” a Katmandu.

O terremoto do dia 25 de abril devastou a região e deixou pelo menos 463 mortos, entre eles nove estrangeiros, cujos corpos já foram transferidos de helicóptero à capital nepalesa, segundo o chefe adjunto.

Rimal reconheceu que não é esperado encontrar ninguém com vida e disse que alguns corpos foram mutilados ao longo do terremoto, o que dificulta sua identificação.

“As operações de resgate nas regiões de montanha não são tão fáceis. As condições meteorológicas mudam frequentemente”, explicou Rimal sobre as atividades, que ficam cada vez mais complicadas com o passar dos dias.

Um terremoto de 7,8 graus na escala Richter atingiu o Nepal no dia 25 de abril, devastou vários distritos do país e deixou grandes danos em diversas áreas de Katmandu.

De acordo com os últimos números oficiais, o terremoto deixou pelo menos 7.759 mortos e 16.434 feridos, número deve continuar a aumentar. Esse foi o terremoto de maior magnitude no Nepal em 80 anos e o pior na região do Himalaia em uma década desde que outro tremor provocou mais de 84 mil mortes na Caxemira em 2005. EFE