Candidata Brasileira, voto por carta e até em bar: veja curiosidades da eleição para parlamento britânico

  • Por Jovem Pan
  • 07/05/2015 10h15

Quem não conseguir comparecer aos postos de votação pode enviar o nome do candidato escolhido por carta

Eleição britânica

Paula Dolphin tem 44 anos e nasceu no interior de São Paulo, mas já foi vereadora e prefeita na Cornualha, a sudoeste do Reino Unido, pelo partido liberal-democrata. Nesta eleição, que ocorre na quinta-feira (07), Paula almeja uma vaga no Parlamento inglês pelo mesmo condado.

O correspondente internacional Ulisses Neto esclarece que qualquer um pode se candidatar ao governo inglês desde que seja cidadão, isto é, que tenha nascido lá ou tenha cidadania. No caso de Paula, a entrada na corrida eleitoral foi possível porque o passaporte dela, herdado do pai, é inglês. No entanto, a presença de estrangeiros na política não é novidade: o prefeito de Londres, Boris Johnson, é nascido em Nova York, nos Estados Unidos.

O dia de votação no Reino Unido possui outras características que podem causar estranhamento nos brasileiros. Além do voto ser facultativo e manual, o dia escolhido para o pleito também não condiz com as tradições do Brasil. Aqui, um domingo é reservado para a visita aos postos, mas na Grã-Bretanha isso acontece em plena quinta-feira. Mas, para que os trabalhadores tenham tempo, o horário é estendido para conseguir atender os eleitores que estiverem dispostos a opinar na escolha dos deputados.

Locais para votação também são diversificados, podendo depositar as cédulas em escolas, campos de futebol, funerárias e até bares. Mas talvez o que mais cause estranhamento nos brasileiros é a confiança que se coloca nos cidadãos britânicos: os eleitores não precisam apresentar documento. Exatamente, basta dizer nome e endereço para poder votar. Outros modos de exercer os direitos democráticos é através de procuração, que nomeia outra pessoa como representante, e o envio do voto por correio.

Neste ano, a concorrência está acirrada e até sexta-feira (08), quando será anunciado o resultado, será difícil apontar um partido favorito à maioria do Parlamento, Trabalhista ou Conservador. O voto sendo distrital puro elege um deputado por condado com base na maioria simples. A partir de então se configura o parlamento e o partido que conquistar mais cadeiras escolhe o primeiro ministro, cargo ocupado desde 2010 pelo conservador David Cameron.