Casa Branca anuncia que há mais de 7 milhões de inscritos em seguros médicos

  • Por Agencia EFE
  • 01/04/2014 16h24

Washington, 1 abr (EFE).- A Casa Branca anunciou nesta terça-feira que superou a meta de sete milhões de inscritos nos seguros médicos previstos na reforma da saúde, um objetivo que não parecia possível quando foi iniciado o período de inscrição em outubro devido ao fiasco do lançamento do site www.healthacare.gov.

Um total de 7,041 milhões de pessoas contrataram um seguro entre 1 de outubro e 31 de março e esse número não reflete as compras de última hora em 12 estados, segundo detalhou o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, em sua entrevista coletiva diária.

O presidente Barack Obama prevê falar mais tarde desde a Casa Branca sobre a reforma da saúde e sobre os sete milhões de inscritos.

Segundo os analistas, o êxito da campanha de promoção dos seguros poderia tirar dos republicanos, críticos tenazes da reforma da saúde, uma de suas principais justificativas políticas antes das eleições legislativas de novembro, nas quais pretendem ganhar o controle do Senado.

Pouco antes da entrevista coletiva de Carney, a líder da minoria democrata na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, antecipou aos jornalistas depois de se reunir com Obama que tinha sido superado o número de sete milhões de inscrições.

À meia-noite da segunda-feira venceu o prazo para contratar um seguro médico privado de acordo com os parâmetros da reforma da saúde promulgada em 2010.

O objetivo que tinha sido marcado a princípio, era conseguir sete milhões de inscrições dos novos seguros entre 1 de outubro e 31 de março, mas a meta foi rebaixada a seis devido aos vários problemas no site em suas primeiras semanas de funcionamento.

O site voltou a cair ontem e a sofrer erros técnicos, mas o governo os minimizou e vinculou os problemas ao auge da demanda nos últimos dias.

Carney destacou hoje que espera que os mais de sete milhões de inscritos, uma conquista que muito poucos viam possível, sirva para apreciar “a mudança radical e positiva ao qual a lei deu passagem para fortalecer a segurança da saúde de todos os americanos”.

“Os republicanos gastaram milhões de dólares em falsos anúncios negativos (sobre a reforma) e bloquearam a expansão do Medicaid em dúzias de estados (…), mas esse esforço não pôde deter a lei”, apontou o porta-voz de Obama.

Na semana passada, o governo anunciou uma extensão do prazo para contratar os novos seguros médicos além de 31 de março unicamente para as pessoas que já tenham iniciado o processo, o que gerou duras críticas dos republicanos, que consideram a reforma um fracasso e advogam por sua eliminação. EFE