Cerca de 600 edifícios na Inglaterra têm mesmo revestimento da torre Grenfell

  • Por Estadão Conteúdo
  • 22/06/2017 11h15 - Atualizado em 29/06/2017 01h02
FA001 LONDRES (REINO UNIDO) 14/06/2017.- Bomberos trabajan en las labores de extinción del incendio declarado en la Torre Grenfell en Lancaster West Estate en Londres (Reino Unido) hoy, 14 de junio de 2017. Al menos 30 personas han resultado heridas en el incendio de una torre residencial de 27 plantas, en el centro-oeste de Londres, que han sido trasladadas a cinco hospitales de la capital británica, informó hoy el servicio de ambulancias. EFE/Facundo ArrizabalagaIncêndio em Londres - EFE

Cerca de 600 edifícios na Inglaterra têm um revestimento similar ao da torre Grenfell de Londres, destruída na semana passada por um incêndio que deixou 79 mortos, informou nesta quinta-feira a residência oficial de Downing Street.

O número foi divulgado após a primeira-ministra britânica, Theresa May, declarar nesta quinta-feira no Parlamento que os inspetores localizaram apartamentos em condições similares às de Grenfell, que queimou rapidamente porque seu revestimento tinha polietileno, um material altamente inflamável.

Uma porta-voz de Downing Street indicou que é um “assunto de urgência” comunicar esta situação aos moradores.

Na Câmara dos Comuns, May apontou que os inspetores localizaram mais apartamentos com um revestimento parecido, e as autoridades tomarão as medidas cabíveis para que esses imóveis fiquem seguros.

A primeira-ministra disse que cerca de cem edifícios são inspecionados diariamente no Reino Unido e que todas as câmaras municipais britânicas trabalham com os bombeiros locais para garantir a segurança dos apartamentos.

O líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, qualificou a tragédia de Grenfell de “atroz” e ressaltou que “cada uma das mortes podiam e deviam ter sido evitadas”.

O conselheiro delegado da câmara municipal londrina de Kensingon & Chelsea (bairro onde está localizada a torre Grenfell), Nicholas Holgate, anunciou nesta quinta sua renúncia após as críticas pelo atraso em atender os afetados pelo devastador incêndio.

May pediu ontem desculpas no Parlamento pelos erros cometidos na assistência aos moradores e reconheceu que o apoio não foi “suficientemente bom”.