Chanceleres do Mercosul ajustam postura comum para negociação com UE

  • Por Agencia EFE
  • 22/09/2015 19h59

Assunção, 22 set (EFE).- Os chanceleres de Brasil, Argentina e Paraguai e o vice-chanceler do Uruguai se reuniram nesta terça-feira em Assunção para ajustar as ofertas de produtos de seus países para alcançar um acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia.

Eladio Loizaga, chanceler do Paraguai, país que exerce a presidência temporária do bloco, afirmou aos meios de comunicação que o encontro serviu para delinear a postura comum do grupo na próxima reunião técnica que será realizada também em Assunção, mas já com os negociadores da União Europeia.

“Validamos todo o trabalho que o grupo veio fazendo em matéria de negociação entre União Europeia e Mercosul”, declarou Loizaga após conversar durante quase três horas com o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Mauro Vieira, o chanceler argentino, Héctor Timerman, e o vice-chanceler uruguaio, José Luis Cancela.

O chanceler paraguaio, que fez o papel de porta-voz perante a imprensa, declarou que os países do Mercado Comum do Sul têm total confiança no trabalho que vem sendo realizado entre os dois blocos.

O Mercosul está formado por Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai, Uruguai e Venezuela, mas este último, que ingressou no bloco no ano passado, não participa do acordo de troca comercial com a União Europeia.

Para o bloco sul-americano o acordo com a UE é uma de suas prioridades, segundo expressaram seus Ministérios de Relações Exteriores em diferentes ocasiões. No entanto, essas conversas se arrastam sem sucesso há mais de uma década e meia.

A cúpula entre a União Europeia e a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) do último mês de junho em Bruxelas fez ressurgir o “entusiasmo” de ambas partes por concretizar o acordo comercial que é negociado, com várias interrupções no meio, desde 1999.

Na ocasião, os chanceleres do Mercosul se comprometeram a realizar uma troca de ofertas com a UE “rapidamente”.

O ministro paraguaio assegurou hoje que, como se pactuou naquele encontro, em novembro deste ano ambos blocos apresentarão suas ofertas definitivas.

Segundo o Mercosul, sua oferta de bens, serviços, investimentos e compras governamentais já está preparada, mas ressalta que não pôde intercambiá-la porque os europeus alegam que ainda não finalizaram o processo de consultas internas para entregar sua proposta.

Agora ambas partes se comprometeram a apresentar antes do fim do ano suas respectivas ofertas, o que constitui um passo indispensável para iniciar formalmente o processo negociador.

Loizaga garantiu que no encontro de hoje repassaram “todos os temas pendentes” para realizar no próximo dia 1º de outubro uma nova reunião que acontecerá na capital paraguaia, mas já em nível técnico, com representantes da UE.

“Serviu para preparar, com as instruções devidas, a fim de que tenhamos um avanço acentuado na próxima reunião do grupo técnico”, acrescentou o chanceler paraguaio.

“Estamos muito satisfeitos e com muitas expectativas sobre o que vai vir para o Mercosul e a UE. É o momento propício para que uma negociação que esteve parada por tanto tempo seja retomada e avancemos enormemente”, opinou Loizaga.

A reunião no Ministério das Relações Exteriores precedeu o encontro do Grupo do Mercado Comum (GMC), formado por vice-chanceleres e subsecretários, no qual será tratado, hoje e amanhã, o programa comercial e os trâmites para incorporar a Bolívia ao grupo regional, entre outros temas, segundo a chancelaria paraguaia.

O encontro também se ocupará das relações exteriores deste grupo de países, da adequação da Venezuela às normas do Mercosul e da integração fronteiriça. EFE

sct/rsd