Chile diminui nível de alerta após erupção do vulcão Villarrica

  • Por Agencia EFE
  • 06/03/2015 16h10

Santiago do Chile, 6 mar (EFE).- O Serviço Nacional de Geologia e Mineração (Sernageomin) do Chile decidiu nesta sexta-feira diminuir de vermelho para laranja o alerta do vulcão Villarrica, na região da Araucanía, após a erupção do último dia 3 de março.

Segundo o organismo, a decisão foi adotada depois que o Observatório Vulcanológico de Los Andes del Sur (OVDAS) determinou que a atual calma da formação natural se transformou em uma tendência.

“A atividade vulcânica, depois do pulso eruptivo da madrugada de 3 de março, diminuiu notoriamente tanto em seu registro sísmico – com valores ainda abaixo de seu nível base -, como nas observações visuais provenientes da cratera principal”, comentou o diretor do Sernageomin, Rodrigo Álvarez.

De acordo com o organismo, a fase mais energética do processo eruptivo terminou e os baixos níveis de sismicidade indicam uma ausência do lago de lava ou da dinâmica de fluidos em setores superficiais.

Além disso, as observações aéreas mostram uma reduzida atividade no nível da cratera principal, o que sugere que o processo eruptivo entrou em uma fase de descenso.

No entanto, devido às condições de instabilidade observadas nas encostas do cone vulcânico, que implicam em eventuais quedas de blocos ou desprendimento de materiais aos setores mais baixos, “recomendamos manter a restrição de acesso em um raio de exclusão de cinco quilômetros em torno da cratera”, detalhou Álvarez.

Cerca de quatro mil pessoas foram evacuadas no dia 3 de março após a erupção do Villarrica, que estava sob alerta amarelo desde o dia 6 de fevereiro devido a um aumento da atividade sísmica.

O Villarrica, de 2.847 metros de altitude, é considerado um dos vulcões mais ativos da América Latina e suas erupções causaram a morte de mais de 300 pessoas nos últimos cem anos. EFE