Chile reforça imagem em mercados prioritários no exterior após atentados

  • Por Agencia EFE
  • 03/10/2014 20h58

Santiago do Chile, 3 out (EFE).- O governo do Chile reforçará com 430 milhões de pesos (cerca de R$ 1,78 milhão) a promoção do país no exterior após os últimos atentados no país, apesar de “não ter percebido alterações no fluxo de turistas”, informou nesta sexta-feira à Agência Efe a subsecretária de Turismo, Javiera Montes.

Trata-se de uma estratégia para “potencializar” os atributos do Chile em mercados considerados “prioritários”, como é o caso de Brasil, Estados Unidos, Austrália e Espanha, explicou Montes.

A injeção destes fundos fazem parte do plano de reativação da economia do país, dotado de um orçamento de dois bilhões de pesos (R$ 8,316 milhões).

Este orçamento permitirá, segundo Montes, “aprofundar” as ações que já estão sendo realizadas pelo subsecretariado de Turismo e “ter recursos preparados caso em algum momento os fluxos turísticos variem”.

Após o atentado de 8 de setembro em uma das estações do metrô de Santiago, que deixou 14 feridos, embaixadas como a de Estados Unidos, Grã-Bretanha, Austrália, Canadá e Bélgica alertaram os cidadãos de seus países para tomar certas precauções ao visitar o Chile.

No entanto, segundo Montes, “em nenhum dos mercados em que houve alertas o comportamento em relação a outros anos foi alterado”.

“Achamos que o Chile continua sendo considerado um país seguro para viajar”, enfatizou Montes, ao acrescentar que as ações de promoção no exterior ressaltarão a “segurança e a confiança que o Chile pode oferecer aos turistas estrangeiros”.

A primeira ação promocional aconteceu entre 25 e 27 de setembro em Paris, com a colocação de um cubo gigante dentro do qual os parisienses puderam experimentar a sensação de estar no Deserto do Atacama e desfrutar da observação das estrelas. EFE