China afirma que não pode encerrar programa nuclear da Coreia do Norte

  • Por Estadão Conteúdo
  • 12/09/2016 14h10
KOR12 - PYONGYANG (COREA DEL NORTE), 30/5/2016.- Fotografía de archivo del 10 de octubre de 2015 suministrada por la Agencia Central de Noticias Norcoreana (KCNA) de misiles balísticos intercontinentales KN-08 exhibidos durante un desfile militar en el 70 aniversario de la fundación del Partido de los Trabajadores de Corea en Pyongyang (Corea del Norte). Según reportes Corea del Norte no tuvo éxito en el lanzamiento de un misil balístico de rango medio el 31 de mayo de 2016, según una fuente militar de Seúl. EFE/KCNA / ARCHIVO / PROHIBIDO SU USO EN COREA DEL SUR / SOLO USO EDITORIAL / NO VENTASCoréia do Norte

A China respondeu nesta segunda-feira às críticas de que deveria fazer mais para pressionar a Coreia do Norte a interromper seu programa nuclear e afirmou que os Estados Unidos são os principais responsáveis por incitar o conflito na Península da Coreia.

A detecção do quinto teste nuclear da Coreia do Norte, na sexta-feira, trouxe renovada pressão sobre o governo em Pequim, o principal aliado político de Pyongyang. Segundo o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, a China tem “uma responsabilidade importante” sobre a Coreia do Norte.

Hoje, a porta-voz do ministério de Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, afirmou que Carter “foi modesto demais”. “Quem começou um problema é que precisa resolvê-lo”, disse, citando um provérbio chinês e pedindo que os EUA “assumam sua responsabilidade”,

“Acredito que os EUA precisam abandonar a questão do desenvolvimento nuclear e trabalhar o quanto antes em uma resolução tangível e efetiva”, afirmou.

A China já concordou anteriormente com a imposição de sanções das Nações Unidas sobre a Coreia do Norte, além de tomar medidas unilaterais como a restrição de importações de alguns materiais básicos. Críticos, no entanto, afirmam que a China poderia fazer mais para punir o regime por seus testes nucleares, algo que o governo de Pequim se opõe publicamente.