China envia dois navios de guerra pra ajudar nas buscas de avião desaparecido

  • Por Agencia EFE
  • 09/03/2014 01h44

Pequim, 9 mar (EFE).- As autoridades chinesas enviaram dois navios de guerra e um civil para ajudar na busca e no resgate do avião da Malaysia Airlines, há mais de 24 horas desaparecido, que levava 239 pessoas a bordo, entre elas 154 chinesas.

Fontes militares confirmaram neste domingo à agência oficial “Xinhua” que as embarcações “Jianggangshan” e “Mianyang” da marinha chinesa zarparam nesta madrugada em direção à região onde se acredita que o Boeing 777-2000 pode ter caído, no Golfo da Tailândia.

“Jianggangshan” leva equipamentos de salvamento, provisões de água e comida, ferramentas de busca submarina e dois helicópteros. Também viajam uma equipe médica, submarinistas e 52 marines.

Ainda não se sabe o que está sendo transportado na segunda embarcação, o “Mianyang”, que zarpou na noite de sábado.

Além disso, a China também enviou outro navio não militar de resgate saindo da ilha de Hainan, no sul da China, o “101” com uma equipe de 12 mergulhadores, que se unirá a outro que já saiu antes.

Este último, de 109 metros de comprimento, demorará dois dias para chegar ao ponto no qual se acredita que o voo que cobria a rota Kuala Lumpur-Pequim pode ter caído.

No momento que se soube do desaparecimento do aparelho, as autoridades chinesas mandaram duas embarcações para o Mar do Sul da China para ajudar Malásia, Vietnã e outros países nas tarefas de busca e resgate.

No total, e segundo os dados informados até o momento pelo governo, a China enviou quatro embarcações de resgate mais dois navios da Marinha, e anunciou que tem outros “prontos para sair” se for necessário.

O presidente da China, Xi Jinping, ordenou no sábado “todos os esforços” para encontrar o voo MH370, que decolou de Kuala Lumpur às 00h41 (local, 13h41 da sexta-feira em Brasília) e deveria chegar em Pequim seis horas mais tarde, mas perdeu o contato com a torre de controle de Subang, ainda na Malásia, às 02h40 (local).

Na última hora do sábado, e após mais de 16 horas sem saber onde está o aparelho, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, cobrou que a Malásia acelerasse os trabalhos de resgate em um telefonema com seu colega malaio, Najib Razak.

“As notícias são muito preocupantes. Esperamos que todo mundo a bordo esteja são e salvo”, assinalou no sábado de manhã o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, em entrevista coletiva.

O aparelho transportava 239 pessoas de 14 nacionalidades: 227 passageiros, dois menores e uma tripulação de 12 malaios.

A busca aérea do avião desaparecido foi retomada hoje com as primeiras luzes do dia, e o rastreamento marítimo continuou durante toda a noite na zona do Golfo da Tailândia, onde acredita- se que o aparelho caiu. EFE