Chuvas não compensam alta temperatura e nível do Cantareira cai

  • Por Thiago Uberreich/ Jovem Pan
  • 16/01/2015 17h02

Vista reserva Jaguari-JacareíVista reserva Jaguari-Jacareí

Os seis sistemas de fornecimento de água de São Paulo tiveram uma queda de volume nas últimas 24 horas.

No Sistema Cantareira, composto por seis represas e responsável pela maior parte do abastecimento, o nível caiu pelo 5º dia seguido, de 6,2% para 6,1%. Se não chover nos reservatórios que compõem o manancial até domingo, o volume pode ficar abaixo dos 6%.

Esta porcentagem já é a segunda cota do volume morto, que fica abaixo do sistema tradicional de captação de água, e, segundo a Sabesp, pode abastecer a capital paulista até março.

Na quarta-feira, o presidente da Sabesp Jerson Kelman falou à Jovem Pan sobre a terceira cota do volume morto. Na quinta, o governador Geraldo Alckmin desconversou sobre o assunto.

Mas nesta sexta, Alckmin disse que a seca de 2015 é pior por enquanto do que a de 2014 e falou em terceira reserva técnica de água do Cantareira.

“Estamos trabalhando para reduzir ao máximo a retirada da segunda reserva técnica”, disse o líder paulista citando o bônus para quem economiza o consumo de água. “Mas ainda teremos a terceira reserva técnica se necessário”.

“A seca no ano passado foi a pior do último século, e este ano o mês de janeiro está sendo pior do que janeiro passado, em termos de temperatura, que chega aos 35ºC e sem chuva”, avaliou Alckmin. “Mas nós estamos tomando todas as medidas e providências para um quadro bastante pessimista”, garante.

O Estado também tenta retirar cada vez menos os recursos hídricos do Cantareira. O governador afirma que nas próximas semanas, a água do reservatório da Guarapiranga, que está com 39,9% de nível, será mais utilizada que a do Cantareira.