Chuvas provocam morte e destruição em Pernambuco

  • Por Estadão Conteúdo
  • 30/05/2016 12h37
Chuva Recife

As chuvas que caíram na região metropolitana de Recife, desde a noite do último domingo (29), já provocaram deslizamento de, pelo menos, 15 barreiras e a morte de quatro pessoas, sendo três em Olinda e uma na capital pernambucana. As três vítimas de Olinda, duas mulheres adultas e uma criança de 7 anos, morreram após o deslizamento de uma barreira, no bairro de Águas Compridas. A quarta morte aconteceu no bairro do Passarinho, na zona norte de Recife, uma área limítrofe com Olinda. Uma menina de 4 anos não resistiu à queda de muro de um imóvel vizinho, que desabou sobre sua casa, destruindo toda a residência.

Outros quatro adolescentes e crianças estão feridos e há relatos de adultos desaparecidos em, no mínimo, dois pontos da região metropolitana.

Na capital, de acordo com a Secretaria Executiva de Defesa Civil de Pernambuco, em um intervalo de seis horas (entre a meia-noite e as 6 horas desta segunda-feira (30)), já havia chovido o equivalente a 36% do previsto para todo o mês de maio

O diretor da Defesa Civil, coronel Cassio Sinomar, acompanhou o resgate do corpo da criança e lamentou. “Infelizmente, muita gente ainda insiste em fazer obras irregulares nas áreas de morro. E ai os acidentes acontecem”, destacou. 

A afirmação do agente público foi duramente criticada pela população local. “Não temos assistência de ninguém. Nem da Prefeitura do Recife e nem da Prefeitura de Olinda. Ficamos sendo jogados de um lado para o outro e aí temos que tentar resolver sozinhos. O rapaz fez esse muro para tentar exatamente evitar que a barreira despencasse”, sentenciou o encanador João de Deus, de 35 anos, que mora na localidade.

No início da manhã, a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) emitiu um alerta de chuva forte até a manhã da próxima terça-feira (31), em toda a Zona da Mata e na região metropolitana.

Ainda de acordo com dados da Defesa Civil da capital, o acumulado de chuva na cidade chegou a 118 milímetros. O número representa 35,97% da média histórica de precipitações no mês, que corresponde a 328 mm.

Suspensão de aulas

As aulas em dezenas de escolas e faculdades públicas e privadas foram suspensas em toda a cidade. O mesmo aconteceu com o expediente em empresas privadas e órgãos públicos. A Defesa Civil do Estado recebeu mais de 150 chamados até as 8 horas.

Em Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes, as Defesas Civis municipais já somavam mais de 300 pedidos de auxílio até as 8h30. Centenas de imóveis estão alagados e parcialmente destruídos em, ao menos, seis dos 14 municípios da Grande Recife.

Foram registrados mais de 300 pontos de alagamentos. Em alguns destes nem mesmo ônibus ou caminhões conseguiam trafegar. Na beira mar de Olinda, por exemplo, parte do calçadão foi levado pela correnteza. O incidente provocou pânico entre motoristas que passavam pelo local durante o acidente.

“Eu estava aguardando no engarrafamento e, de repente, vi a posta começando a ruir. Fiquei desesperado”, comentou o advogado Fabio Nascimento. “Os bancos de concreto, a calçada, a pista, tudo foi embora carregado pela correnteza para dentro do mar. Muita gente saiu dos carros e correu com medo de ser arrastado.”