Ciclistas chegam à ONU após protestar contra armas nucleares nos EUA

  • Por Agencia EFE
  • 24/04/2015 19h35

Nova York, 24 abr (EFE).- Um grupo de ciclistas de várias nacionalidades chegou nesta sexta-feira às portas da sede das Nações Unidas, em Nova York, após marchar de Washington para chamar a atenção e protestar contra a proliferação de armas nucleares.

A passeata, chamada “Diga adeus às armas nucleares”, começou na terça-feira no Capitólio na capital dos Estados Unidos e passou pelas cidades de Bethesda e Baltimore (Maryland), Philadelphia (Pensilvânia), e Wilmington (Delaware) antes de chegar a Nova York, onde finalizaram o trajeto em frente a ONU.

A manifestação foi organizada pelo Projeto Atom, Prefeitos pela Paz e Bicicletas para a Paz, todas ONGs contra as armas nucleares.

Após chegar à ONU, os ciclistas, entre eles o co-fundador de Bicicletas para a Paz, Tore Nærland; o prefeito de Frogn (Noruega) e vice-presidente da Prefeitos pela Paz, Thore Vestby, e diversos ativistas foram recebidos na Missão Permanente do Cazaquistão nas Nações Unidas.

Na recepção esteve presente o embaixador honorário do Projeto Atom, Karipbek Kuyukov, vítima dos testes nucleares realizadas no polígono de Semipalatinsk, no Cazaquistão, pela antiga União Soviética, que foi fechado depois da independência desta república euroasiática.

Kuyukov, que nasceu sem braços, faz campanha contra os testes nucleares no mundo todo durante décadas e agora pede aos cidadãos que assinem o pedido Projeto Atom para proibir os testes nucleares para sempre.

Uma das maneiras pela qual Kuyukov transmite sua mensagem é através de seus quadros, pois nascer sem as extremidades superiores não o impediu de desenvolver sua arte. Ele pinta com a boca e com os pés, e suas telas transmitem o horror que sua região sofreu por culpa dos testes nucleares.

“Quero usar minha arte para lutar contra as armas nucleares no mundo. O Cazaquistão é um bom exemplo para explicar isto a outros países”, disse o pintor em declarações à Agência Efe, em referência ao fato de o país ter sido o primeiro a abandonar as armas nucleares.

“Levará muito tempo, e penso que não poderei ver em vida. Mas é meu sonho de verdade e faço um monte de coisas para consegui-lo”, acrescentou.

O co-fundador de Bicicletas para a Paz, o norueguês Tore Nærland, afirmou que Kuyokov os “encoraja muito nessa luta porque é um exemplo para que digamos que não queremos mais gente incapacitada por causa de testes e de bombas nucleares”.

O ex-esquiador e ouro olímpico Vladimir Smirnov, além de outros integrantes do “Potomac Pedalers Touring Clube”, se uniram à manifestação em diferentes partes do trajeto.

Antes de chegar às portas das Nações Unidas, os ciclistas cruzaram a ponte de George Washington e passaram por diversos lugares emblemáticos da cidade, como o Central Park.

Na recepção, além de diversos membros das Nações Unidas, estiveram presentes o vice-ministro de Relações Exteriores do Cazaquistão, Yerzhan Ashikbayev e o representante deste país na ONU, Kairat K. Abdrakhmanov. EFE

ab/cd