Cidadãos de 14 países estão no avião desaparecido da Malaysia Airlines

  • Por Agencia EFE
  • 08/03/2014 01h43

Bangcoc, 8 mar (EFE).- As 239 pessoas que viajam a bordo do avião Boeing 777-200 da Malaysia Airlines que saiu neste sábado de Kuala Lumpur rumo a Pequim, na China, e com o qual contato quando viajava à China, são de 14 nacionalidades informou a companhia aérea em comunicado.

“Os passageiros eram de 14 nacionalidades. A Malaysia Airlines está trabalhando com as autoridades que iniciaram uma operação de busca e resgate para localizar a aeronave”, afirmou a companhia aérea.

“Nosso pessoal está, neste momento, entrando em contato com os familiares dos passageiros e a tripulação”, acrescentou a nota.

Segundo o comunicado divulgado no site da companhia, o avião transportava 227 passageiros, entre eles duas crianças, e uma tripulação de 12 pessoas. São 153 chineses – incluída uma criança -, 38 malaios, 12 indonésios, sete australianos, quatro americanos (incluída uma criança), três franceses, dois neozelandeses, dois ucranianos, dois canadenses, um russo, um holandês, um austríaco, um italiano e um cidadão de Taiwan.

O voo MH370 decolou de Kuala Lumpur às 13h41 de Brasília da sexta-feira e tinha previsão de chegada a Pequim umas seis horas mais tarde.

O ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, afirmou em entrevista coletiva que “as notícias são muito preocupantes. Esperamos que todo o mundo a bordo esteja são e salvo”.

A torre de controle de tráfego aéreo de Subang, na Malásia, perdeu contato com o avião às 15h40 de Brasília da sexta-feira.

O piloto do avião não fez nenhuma comunicação por rádio com as autoridades chinesas, de acordo com a mesma fonte.

Segundo a agência chinesa “Xinghua”, o contato com a aeronave foi perdido quando a mesma sobrevoava o Vietnã.

Por sua vez, a companhia americana Boeing, a segundo maior fabricante de aviões do mundo, disse que “acompanha de perto” os relatórios sobre sua aeronave.

O pior incidente do transporte comercial aéreo da Malásia ocorreu no dia 4 de dezembro de 1977, quando um avião da Malaysian Airlines foi sequestrado em pleno voo e as 100 pessoas que estavam a bordo morreram no que provavelmente foi um acidente, pois só foram encontrados os destroços da aeronave. EFE