Cidade argentina proíbe venda de armas durante 3 meses por insegurança

  • Por Agencia EFE
  • 15/10/2014 17h15

Buenos Aires, 15 out (EFE).- As autoridades de Santa Fé, no nordeste da Argentina, proibiram a comercialização de armas e munição na cidade durante os próximos 90 dias, devido ao aumento da insegurança e do número de homicídios, 117 neste ano, informou a prefeitura nesta quarta-feira em um comunicado.

A medida excepcional, que foi tomada por votação do Conselho Municipal, implica em um aumento dos requisitos exigidos para o funcionamento dos comércios vinculados com a venda de armas e munição.

No texto, o prefeito de Santa Fé, José Corral, demonstra sua preocupação com os 117 assassinatos registrados desde o início do ano, dos quais 90 ocorreram com armas de fogo, assim como pelas “centenas” de pessoas feridas e pela “dramática quantidade de crianças” afetadas.

Corral se dirige à Justiça para pedir que “esclareça as situações de sequestros de armas” e à polícia para que “continue com o controle dos mercados ilegais”.

Segundo o estabelecido pelas autoridades, toda pessoa habilitada para a comercialização de armas e munição deverá credenciar sua inscrição no Registro de Comerciantes de Armas.

Também se modificarão os procedimentos para a habilitação dos comércios para assim “ter a tranquilidade que as armas e as munição legais não terminem prontamente nos mercados ilegais”.

Entre outros assuntos, o prefeito ressalta a necessidade de vigiar os arsenais da Justiça e as armas legais da polícia “para que não haja vazamentos”, após os roubos sofridos pelas forças de segurança.

A insegurança é uma das maiores preocupações da sociedade argentina, que vê como os incidentes violentos se multiplicam com o aumento do narcotráfico, principalmente na província de Santa Fé. EFE