Cientistas britânicos pedem permissão para modificar embriões humanos

  • Por Agencia EFE
  • 24/09/2015 18h21

Londres, 24 set (EFE).- Um grupo de cientistas britânicos solicitou à Autoridade de Embriologia e Fertilização Humana (HFEA) do Reino Unido permissão para modificar geneticamente embriões humanos para entender melhor seu desenvolvimento.

Os pesquisadores do Instituto Francis Crick, em Londres, que apresentaram o pedido, contaram que o objetivo é conhecer melhor o desenvolvimento dos embriões após a fertilização in vitro e melhorar os tratamentos para infertilidade. A HFEA, reguladora do setor, indicou que a solicitação será considerada em seu “devido tempo”, sem dar mais detalhes.

A permissão, que repercutiu na imprensa local, foi apresentada depois de que pesquisadores na China admitiram há alguns meses ter alterado genes de embriões humanos para tentar eliminar um problema sanguíneo genético. Estas remodelações com fins terapêuticos são proibidas em quase todo o mundo, mas no Reino Unido é possível conseguir a permissão se o objetivo for a pesquisa científica, mediante o sinal verde da HFEA.

Segundo o Instituto Francis Crick, os especialistas esperam que os embriões que buscam modificar sejam doados por casais que tenham muitas quantidades armazenadas como parte de tratamentos de fertilização. Os pesquisadores destacaram que não permitirão que os embriões completem seu ciclo de crescimento e que os estudarão nos primeiros períodos do desenvolvimento antes de destrui-los. A equipe utilizará uma tecnologia conhecida como CRISPR/Cas9 para modificar os genes e estudar os efeitos destas mudanças no desenvolvimento do embrião.

“É essencial estudar a função destes genes humanos no contexto do embrião a fim de entender plenamente suas funções”, disse Kathy Niakan, líder do grupo de pesquisadores ao jornal britânico “The Guardian”. EFE