“CNN” diz que teve permissões de trabalho revogadas pelo governo da Venezuela

  • Por Agencia EFE
  • 21/02/2014 19h23

Atlanta (EUA), 21 fev (EFE).- A rede de televisão “CNN” informou nesta sexta-feira que o governo da Venezuela comunicou a sua correspondente em Caracas, Osmary Hernández, que sua licença de trabalho “como correspondente credenciada” foi revogada, medida que também afeta a apresentadora Patricia Janiot e o editor Rafael Romo.

Em comunicado, a “CNN” explicou que a retirada da licença de trabalho também vale para uma produtora, que ontem trabalhava junto com Osmary e Janiot na elaboração de um programa especial.

“O vice-ministro de Comunicações da Venezuela comunicou nesta quinta-feira a nossa correspondente, Osmary Hernández, que tinha sido revogada a permissão para trabalhar como correspondente credenciada”, disse a “CNN” em seu site em espanhol.

A emissora ainda lembrou que “o presidente Nicolás Maduro anunciou na quinta-feira em rede de televisão que seria iniciado o processo de retirada do ar do sinal do canal da “CNN” em Espanhol, mas não tinha “recebido notificação oficial do órgão regulador”.

Desde que começaram os protestos, a “CNN” em espanhol reportou os dois lados da tensa situação que a Venezuela vive, com acesso muito limitado a funcionários do governo. Patricia Janiot, inclusive, “estava tentando uma entrevista com o presidente Maduro”, de acordo com a emissora.

“Esperamos que o governo reconsidere sua decisão. Enquanto isso, continuaremos informando sobre a Venezuela da forma justa, acertada e balanceada que nos caracteriza como empresa jornalística”, diz o texto

No dia 12 de fevereiro, o governo venezuelano fechou o sinal a cabo do canal informativo colombiano “NTN24”, ao qual acusou de promover um golpe de estado. E o próprio Nicolás Maduro afirmou recentemente que não aceitará que “alguém venha do exterior para tentar perturbar o clima psicológico da Venezuela”. EFE