Colômbia formará alunos de primário e ensino médio em economia e finanças

  • Por Agencia EFE
  • 03/07/2014 17h35

Bogotá, 3 jul (EFE).- A Colômbia iniciará um programa de formação em economia e finanças para estudantes que espera abranger em 2015 todos os colégios do ciclo primário e, um ano depois, os de ensino médio, anunciou nesta quinta-feira o Ministério da Educação.

O programa de “Educação Econômica e Financeira” começará no segundo semestre deste ano em 120 colégios públicos das regiões do Caribe, centro, ocidente, oriente e Pacífico.

A ministra da Educação, María Fernando Campo, explicou durante uma entrevista coletiva que esta iniciativa não é “uma cátedra”, mas “um programa pedagógico de maneira transversal que atravessa diferentes áreas do conhecimento”.

“Nunca se tinha ensinado educação financeira e econômica no setor educativo, hoje estamos mostrando os alinhamentos pedagógicos que devem levar em conta todos os colégios, tanto os públicos como os privados”, declarou a ministra.

A estratégia inclui ações como a formação dos docentes, o acompanhamento presencial e virtual da equipe das instituições educativas, assim como a assistência técnica às Secretarias de Educação locais.

María Fernando estimou que para desenvolver o programa nos colégios primários será necessário um investimento de 30 bilhões de pesos (cerca de R$ 32 milhões) e, para o ensino médio, cerca de “20 bilhões de pesos adicionais” (cerca de R$ 22 milhões).

A presidente da Associação Bancária da Colômbia (Asobancaria), María Mercedes Cuéllar, destacou o programa como “uma grande conquista” e comentou que permitirá a construção de “uma sociedade educada nos principais temas econômicos e financeiros, preparada para romper os círculos de pobreza”.

Por sua parte, o gerente geral do Banco da República, José Darío Uribe, considerou que esta iniciativa tem “um enorme potencial de transformação social, com efeitos positivos para o desenvolvimento econômico do país e também para a redução da desigualdade”.

O Ministério da Educação, a Asobancaria e o Banco da República trabalham desde 2012 na formulação das orientações de educação econômica e financeira deste programa, segundo um comunicado divulgado hoje. EFE