Com Samsung em crise por Galaxy Note 7, ações da Apple atingem novo recorde

  • Por Agência EFE
  • 12/10/2016 21h59

A venda do Galaxy Note 7 começou no dia 19 de setembro e a interrupção das vendas provocaram uma queda substancial nas projeções de receita

Galaxy Note 7 Samsung - Divulgação

As ações da gigante americana Apple alcançaram seu valor máximo histórico em Wall Street nesta quarta-feira, coincidindo com a crise vivida por sua principal rival de mercado, a Samsung, devido ao escândalo do Galaxy Note 7.

As ações da empresa fundada por Steve Jobs subiram 0,89% no índice composto Nasdaq e estão cotadas a US$ 117,34, superando o recorde já atingido no fechamento de ontem, que era de US$ 116,30.

A Apple, uma das 30 companhias que fazem parte do índice Dow Jones Industrial, acumula nos últimos cinco dias um avanço de 3,98%. Nos últimos dias, os papéis da empresa se valorizaram 11,46%.

A boa sequência a Apple em Wall Street coincide com o mau momento atravessado pela Samsung Eletronics, que nesta semana anunciou que deixará de produzir o Galaxy Note 7 pelos repetidos casos de combustão do dispositivo.

A companhia admitiu que os problemas obrigaram a recalcular a previsão de faturamento entre julho e setembro. A venda do Galaxy Note 7 começou no dia 19 de setembro e a interrupção das vendas provocaram uma queda substancial nas projeções de receita.

A Samsung agora prevê uma receita de 47 trilhões de wons (US$ 41,8 bilhões) no terceiro trimestre deste ano, o que representa uma redução de 4,09% em relação ao calculado inicialmente.

Enquanto a Apple atinge marcas históricas em Nova York, a Samsung chegou a ver as ações despencando 8% nesta terça-feira, na Bolsa de Seul. Hoje, a cotação das ações da empresa caiu 0,65%.