Começam a chegar a Honduras os convidados à posse de Hernández

  • Por Agencia EFE
  • 25/01/2014 23h28

Tegucigalpa, 25 jan (EFE).- As delegações oficiais convidadas para a posse na próxima segunda-feira do presidente eleito de Honduras, Juan Orlando Hernández, começaram a chegar neste sábado a Tegucigalpa, onde se espera sete presidentes e o príncipe Felipe de Bourbon.

Até agora chegaram a Tegucigalpa o Núncio Apostólico, Pierre Nguyen Van Tot; a ministra das Relações Exteriores do Canadá, Lynne Marie Yelich, e os embaixadores da Bulgária, Hristo Georgiev Gudjev, e da Palestina, Mohammed Saadat, informou o Executivo hondurenho em comunicado.

Também se encontram em Tegucigalpa a titular do Parlamento Centro-Americano (Parlacen), Paula Rodríguez; o embaixador do Suriname, Subhas Chandra Mungra; a encarregada de negócios da República Tcheca, Rena Valkyova, e uma delegação da Coreia do Sul.

Neste domingo, se espera a chegada do príncipe Felipe e também do presidente de Taiwan, Ma Ying-jeou, que chegarão à base área “Enrique Soto Cano”, no departamento de Comayagua, a cerca de 75 quilômetros ao norte de Tegucigalpa, segundo a informação oficial.

Além disso, está prevista a chegada das presidentas do Kosovo, Atifete Jahjaga; e Costa Rica, Laura Chinchilla, assim como dos vice-presidentes Moisés Omar Halleslevens e Jorge Arreaza, da Nicarágua e Venezuela, respectivamente.

Nas seguintes horas também se espera o presidente da Parlamento da Argentina, Julián Domínguez; do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza; e do secretário de Trabalho dos Estados Unidos, Thomas Pérez.

Os outros três chefes de Estado que confirmaram sua presença à cerimônia de juramento de cargo de Hernández chegarão na segunda-feira e são Otto Pérez Molina, da Guatemala; Ricardo Martinelli, do Panamá; e Juan Manuel Santos, da Colômbia.

Hernández, do governante Partido Nacional, será investido na segunda-feira para um período de quatro anos no Estádio Nacional, de Tegucigalpa, em substituição de seu correligionário Porfirio Lobo. EFE