Confronto entre polícia e islamitas durante referendo deixa um morto no Egito

  • Por Agencia EFE
  • 14/01/2014 10h45

Cairo, 14 jan (EFE).- Um manifestante morreu nesta terça-feira na cidade de Beni Suef, ao sul do Cairo, durante enfrentamentos com a polícia, que dispersou com uso da força protestos islamitas contra o referendo constitucional em várias cidades do Egito.

A vítima supostamente é um simpatizante da Irmandade Muçulmana, de 24 anos, que foi atingido por um tiro na cabeça, informou à Agência Efe um porta-voz da Irmandade, que pediu anonimato por questões de segurança.

As forças de segurança utilizaram gás lacrimogêneo e balas de chumbo para dispersar as manifestações da Irmandade, que convocou um boicote ao referendo e procura obstaculizar o processo de votação.

O responsável do grupo denunciou detenções de simpatizantes nas cidades do Cairo, Alexandria, Sohag e Damieta, assim como a participação na repressão dos protestos de uma força especial do exército.

No Cairo, foram registrados distúrbios na avenida das Pirâmides, no bairro de Guiza; e nos distritos de Cidade Nasser, no leste, e Heluan, no norte da capital.

Antes da abertura das zonas eleitorais, uma bomba explodiu próximo de um tribunal no bairro cairota de Imbaba, sem deixar vítimas ou prejuízos materiais.

Além disso, na Península do Sinai, as Forças Armadas lançaram ontem à noite uma campanha contra supostos refúgios de terroristas.

Uma fonte de segurança informou à Efe que sete extremistas morreram durante a operação, que continuou hoje, nas localidades de Al Arish, Rafah e Sheif Zaued.

A nova Constituição substitui a aprovada pelos islamitas em 2012, que foi suspensa pelos militares em julho do ano passado após a destituição do presidente Mohammed Mursi. EFE