Confusão na Cracolândia termina com suspeito preso e um guarda ferido

  • Por Estadão Conteúdo
  • 14/06/2017 18h47 - Atualizado em 29/06/2017 00h24
SP - CRACOLÂNDIA/SÃOPAULO - GERAL - Agentes da Guarda Civil Metropolitana isolam usuários de crack na Praça Princesa Isabel para facilitar a identificação de traficantes e para que a limpeza da praça continue a ser efetuada. Na manhã desta quarta-feira (14). 14/06/2017 - Foto: BRUNO ROCHA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOPrefeitura de São Paulo tem realizado ações diárias de limpeza na Cracolândia da Praça Princesa Isabel

Uma confusão na Praça Princesa Isabel, no centro de São Paulo, onde está instalada uma nova Cracolândia, terminou com um suspeito de tráfico preso, um guarda civil ferido e um ônibus depredado na tarde desta quarta-feira, 14. O tumulto ocorreu durante uma ação de limpeza da Praça, que passou a ser rotina desde a operação do domingo, 11, em que barracas e tendas foram desmontadas. 

De acordo com a Guarda Civil Metropolitana, a ação de limpeza por equipes da Prefeitura ocorria sem problemas quando uma pessoa foi flagrada com uma quantidade não informada de crack. A partir daí, a tentativa de prender o suspeito desencadeou a reação de usuários de drogas. “Os usuários infelizmente acabam sendo usados pelos traficantes para proteção, que incitam a violência contra os agentes”, disse o inspetor José Aparecido Cesar Filho, comandante da operação.

O agente informou que na reação dos usuários um guarda foi ferido com uma pedrada no rosto e teve uma fratura. Ele foi levado para atendimento médico de urgência e seu estado de saúde não foi informado. O suspeito foi levado para autuação no 77º DP (Santa Cecilia). A reação dos guardas, que acionaram reforço da própria tropa e da Polícia Militar, levou alguns usuários a se espalharam pela região. 

No mesmo horário, um ônibus municipal da linha 311C, Parque São Lucas ao Bom Retiro, foi cercado e depredado por frequentadores da Cracolândia, segundo informou a PM, nas imediações da Sala São Paulo, a menos de 500 metros da Praça. O para-brisa e os vidros laterais foram quebrados com pedras, mas ninguém ficou ferido. Os responsáveis pelo ataque não foram identificados. 

As operações de limpeza estariam ocorrendo duas vezes por dia após a ação policial do domingo passado, segundo informou a GCM, com objetivo de evitar a reinstalação de barracas e tendas, que facilitariam o tráfico na área.