Contran adia obrigatoriedade para uso de placas veiculares do Mercosul

  • Por Agencia EFE
  • 30/04/2015 19h12

Rio de Janeiro, 30 abr (EFE).- Em decisão publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) adiou em um ano, de janeiro de 2016 para janeiro de 2017, a entrada em vigor da norma que obriga todos os veículos do país a adotar a placa comum do Mercosul.

O novo modelo será de uso obrigatório no Brasil apenas a partir de 1º de janeiro de 2017 perante a falta de tempo das autoridades para ajustar-se tecnicamente à mudança.

“Ainda não concluímos o sistema de informática necessário nem resolvemos os assuntos de segurança na fabricação das placas”, admitiu o presidente da Associação Nacional dos Detrans, Marcos Traad, citado em comunicado do Contran.

Traad acrescentou que uma das principais vantagens da padronização com o Mercosul, além de dar um visual unificado às placas no bloco, é o de permitir um maior número de combinações para identificar os veículos.

A placa comum será de uso obrigatório para os veículos dos cinco membros do Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela) e permitirá que milhões de automóveis possam circular livremente através de todos os países do bloco.

A nova placa terá fundo branco e caracteres em preto, e levará impressa sobre uma faixa horizontal azul o emblema do Mercosul e o nome e bandeira do país de matrícula do veículo.

A placa do Mercosul será obrigatória para os veículos que saiam de fábrica a partir de 2017 e opcional para os que já estejam em circulação. EFE