Coreia do Sul quer formar unidade militar para atacar arsenais norte-coreanos

  • Por Agencia EFE
  • 23/09/2015 09h23

Seul, 23 set (EFE).- O exército da Coreia do Sul pretende estabelecer uma unidade militar especial para atacar e destruir em caso de necessidade instalações estratégicas norte-coreanas, como arsenais nucleares e de mísseis, apontou um relatório enviado nesta quarta-feira ao parlamento em Seul.

As forças armadas sul-coreanas “buscam organizar uma unidade especial com a meta de atacar alvos vitais e estratégicos do inimigo”, segundo o documento assinado pelo tenente-general Chang Kyung-souk, do Comando Especial de Guerra.

Fontes militares detalharam à agência sul-coreana “Yonhap” que esses alvos são as instalações nucleares e relacionadas ao programa de mísseis balísticos intercontinentais do regime de Kim Jong-un.

Esta nova unidade poderia realizar operações combinadas com forças americanas caso organizem cabo uma missão de infiltração na Coreia do Norte, explicou o relatório, que aponta a necessidade de criar uma unidade aérea especial de apoio.

Recentemente a Coreia do Norte anunciou que finaliza os preparativos para pôr em órbita um satélite espacial com fins científicos, operação que a Coreia do Sul e os EUA consideram uma violação das resoluções da ONU que proíbem o país comunista de desenvolver tecnologia de mísseis balísticos.

O lançamento poderia acontecer perto do dia 10 de outubro, data da celebração do 70º aniversário do Partido dos Trabalhadores norte-coreano.

Ao mesmo tempo o regime Juche, termo que designa a base ideológica norte-coreana, anunciou que voltou a iniciar, pela primeira vez em oito anos, seu reator nuclear de Yongbyon, de onde obtém plutônio para seu programa de armas atômicas.

A Coreia do Sul e a do Norte continuam tecnicamente em guerra desde o conflito de 1950-53, que terminou com a assinatura de um cessar-fogo e nunca de um tratado de paz. EFE