Criança afegã tenta se matar em acampamento na Croácia

  • Por Agencia EFE
  • 25/09/2015 12h02

(corrige título)

Genebra, 25 set (EFE).- Uma criança afegã de nove anos tentou se suicidar esta semana em um campo de refugiados na Croácia devido ao profundo trauma de ter perdido sua família, por último sua irmã, durante o trajeto para a Europa.

O caso foi apresentado nesta sexta-feira pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), para ilustrar as condições extremamente duras que vivem as crianças que fazem parte da onda de refugiados que estão chegando à Europa nos últimos meses.

A tentativa de suicídio ocorreu no acampamento temporário de Opatovac, onde os refugiados ficam entre um e dois dias para receber alguma ajuda e seguir sua viagem para o coração da Europa, explicou por teleconferência a representante do Unicef para a Ucrânia, Valentina Otmacic.

“A situação é extremamente difícil para as crianças que realizam este percurso e criou um contexto muito complicado de garantir sua proteção, nutrição, saúde e cobertura”, comentou.

“As crianças estão muito traumatizadas”, acrescentou Otmacic, antes de relatar o caso da criança, que estava no acampamento e foi conduzida a um espaço infantil, onde as crianças podem brincar durante uma hora e sair da atmosfera de caos e tensão que reina fora.

A criança estava desenhando com uma mão quando o pessoal percebeu que com a outra mão tocava insistentemente algo que tinha no bolso da calças, até que de repente tirou a tampa de uma lata e tentou cortar o próprio pescoço.

“Não conseguiu se cortar, praticamente não se machucou fisicamente, mas quando nos aproximamos dele começou a gritar que queria morrer e nos demos conta que tinha o bolso cheio de pedaços de latas de metal”, disse o responsável do Unicef.

Um psicólogo o atendeu e em uma sessão de duas horas descobriu que sua mãe tinha morrido, seu pai tinha sido assassinado no Afeganistão e que começou a viajar com sua irmã e um tio, mas perderam a irmã no caminho.

A criança e o tio estão indo para a Alemanha, informou o Unicef.

Otmacic disse que “este caso ilustra como se sentem as crianças nesta situação, expostos a condições mais e mais duras, seja pelo clima, já que as temperaturas estão baixando na Croácia, ou porque só sobrevivem com alimentos em lata e desidratados”.

A representante do Unicef disse que um problema urgente que deve ser solucionado é o das famílias separadas, de membros que se perdem no trajeto, para pensar no tipo de realocação específica que exigem.

O acampamento de Opatovac tem capacidade para cinco mil pessoas, e esta semana acolheu em média quatro mil pessoas por dia, 800 delas crianças.

Desde esse acampamento, onde o tempo máximo de estadia é de 48 horas, os refugiados se dirigem para a Hungria. EFE