Crianças recrutadas pelo EI decapitam nove xiitas na Síria

  • Por Agencia EFE
  • 29/03/2015 08h33

Nove crianças recrutadas pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI) participaram da decapitação de nove muçulmanos xiitas, denunciou neste domingo o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

A ONG explicou que o EI divulgou um vídeo que mostra os nove menores cortando o pescoço de suas vítimas, maiores de idade, até decapitá-las. Os menores, oito deles encapuzados nas imagens, estavam armados com fuzis automáticos.

Segundo o Observatório, o Estado Islâmico recrutou pelo menos 400 menores de idade nas regiões que controla na Síria desde o começo deste ano, e os denomina “filhotes do califado”.

O grupo extremista abriu escritórios para recrutamento de crianças em Al Mayadin e Albukamal, no leste da província síria de Deir al Zur.

Além disso, procura menores que vivam perto de seus quartéis e os que freqüentam as escolas e mesquitas, além dos que assistem as execuções e punições do EI, como apedrejamentos, decapitações, crucificações e chicotadas.

Os menores recrutados são submetidos a cursos de instrução militar e religião.

“Vingança”

As pessoas assassinadas foram “acusadas” de pertencer ao ramo xiita do islamismo.

A ONG não informou o local, nem o momento das execuções.

Um porta-voz do EI afirmou no vídeo que sua organização não esquecerá o que o “regime ímpio xiita” (em referência ao falecido presidente sírio Hafez al-Assad) fez na década de 80 com os muçulmanos da cidade de Hama.

“Não esqueceremos nenhuma gota do sangue dos muçulmanos que foi derramada nessa terra bendita (da Síria)”, ressaltou.

O extremista aludia ao massacre realizado pelo governo em Hama em 1982 para sufocar uma rebelião do grupo islamita sírio da Irmandade Muçulmana.